sábado, 31 de janeiro de 2009

Também não entregarei objectivos individuais.

“Chamo-me Afonso da Silveira, sou professor do ensino secundário, participei nas manifestações de professores em Lisboa contra o modelo de avaliação docente, fiz greve nos dias 3 de Dezembro de 2008 e 19 de Janeiro de 2009, subscrevi todas as moções repudiando aquilo que sempre considerei uma farsa em matéria de avaliação dos profissionais de ensino e hoje estou confrontado com um despacho do Presidente do Conselho Executivo da minha escola que diz que até dia 7 do próximo mês de Fevereiro tenho de entregar os objectivos individuais e decidir-me se quero ou não ser avaliado na componente científica e pedagógica.Que fazer? É a pergunta que não pára de me martelar na cabeça. Será que devo requerer ser avaliado na componente científica e pedagógica? Que ganho eu com isso? A possibilidade de poder ter uma classificação profissional de “Muito Bom” ou “Excelente”, diz o Ministério da Educação. Bem, isso dava-me jeito, ajudava-me a progredir mais rapidamente na carreira e o dinheiro faz sempre falta. Lá estou eu a divagar. Ter a possibilidade de obter essas classificações altas não é a mesma coisa que consegui-las. O sistema de quotas é que “lixa” isto tudo. Só um número muito reduzido de professores é que será contemplado com estas avaliações e na maioria dos casos isso terá pouco a ver com as suas competências.Aliás, foi esta uma das razões porque lutei contra este sistema de avaliação. Será que terei alguma possibilidade de obter um “Muito Bom” ou um “Excelente”? Não me parece. Faltei um dia por conta das férias porque tive de acompanhar a minha mãe ao médico e não me atribuíram qualquer cargo, nem mesmo uma direcção de turma. Para além disto, tal como as coisas estão, o mais natural é tudo ser corrido a “Bom”. Bem vistas as coisas, nada ganharei em requerer ser avaliado na componente científica e pedagógica. Mas se, apesar de tudo, o fizer, que perderei?
Nem quero pensar nisso. Até me dá calafrios. Para começar perderei a minha dignidade. Então, andei eu a manifestar-me contra este modelo de avaliação e agora, justamente na componente em que o Ministério recua, é que eu apareço a dizer que quero que se aplique à minha pessoa? Como me poderei ver diariamente ao espelho sem sentir uma profunda vergonha por aquilo em que me transformei? Não, não há nada que compre este andar de cabeça erguida. Está decidido. Não apresentarei qualquer requerimento no sentido de pedir para ser avaliado na componente científica e pedagógica.
Ainda agora tomei a decisão e até parece que respiro melhor. Isto da gente fazer o que tem a fazer até parece que nos dá anos de vida.E quanto aos objectivos individuais, que fazer? Entregá-los? Se os entregar que ganharei? Dizem-me, a possibilidade de ter “Bom” na minha classificação profissional. E para que é que isso me servirá? No fundo, para nada. Com “Bom” nunca chegarei a titular, nem nunca serei, eventualmente, beneficiado em concursos futuros. Ter “Bom” é, assim, uma espécie de viver como habitualmente. E se não entregar os referidos objectivos, o que me poderá acontecer? O período a que se reporta esta avaliação não será considerado para efeitos na progressão na carreira docente, diz o Ministério. Nada de muito pesado. Quem já marcou passo tanto tempo no mesmo escalão, também pode fazê-lo por mais uns meses e há sempre a possibilidade desta trapalhada ficar sem efeito no futuro, nomeadamente no caso do PS não alcançar uma maioria absoluta nas próximas eleições legislativas, o que é mais do que previsível. Mas também me sujeito à possibilidade de ter um “Regular” ou mesmo, num caso extremo, um “Insuficiente”.Ora, isto não me agrada mesmo nada. Mas atenção! Está garantido que as classificações inferiores a “Bom”, obtidas este ano, poderão ser corrigidas por uma avaliação extraordinária a realizar no próximo ano. Afinal, o problema do “Regular” e do “Insuficiente” pode ser sempre ultrapassado. E processo disciplinar? Será que poderei ser alvo duma coisa dessas? Processos poderão sempre aparecer, agora sanções disciplinares é que não. Que estarei eu a fazer de mal se não entregar os ditos objectivos? Estarei a impedir o “patrão” de me avaliar? Não, ele pode sempre fazê-lo e, inclusivamente, até pode definir os objectivos que eu não entreguei e, em função disso, avaliar-me. Afinal, para que eu possa ser avaliado não tenho que entregar quaisquer objectivos, com isso colaborando num processo em que de todo discordo. Está decidido, também não entrego os objectivos individuais.
Sete horas, toca o despertador, Acordo meio estremunhado, entro aos tropeções dentro da banheira e acordo em definitivo por força dum jacto de água fria. Faço a ligação mental ao dia anterior, a memória sinaliza a decisão tomada em matéria da minha avaliação profissional e um imenso sorriso aflora-me aos lábios. Visto-me à pressa, saio de casa, e em passadas rápidas chego à praça pública. Abro os braços e um enorme grito sai do fundo das minhas entranhas, LIBERDADE! Dois transeuntes olham e ficam a olhar embasbacados. Eles não sabem, mas eu sei e tu também sabes: Só um homem que recusa ser escravo pode ser um “Excelente” professor.”

Constantino Piçarra“Diário do Alentejo”, 30/01/09

SE QUERES SER BEM PAGO FAZ-TE CARO

"Entre 1999 e 2001 houve reuniões no ministério com o presidente da Câmara de Alcochete e o Freeport. Foi dada luz verde, mas o projecto acabou chumbado. Os técnicos foram informados por um dirigente que era "chumbo estratégico" para posterior aprovação. A informação foi dada à PJ nas investigações. Um responsável do Instituto de Conservação da Natureza (ICN) terá anunciado aos técnicos do organismo que o projecto do outlet Freeport ia ser "chumbado", em Dezembro de 2001, mas que era um "chumbo estratégico, pois em três meses ia estar tudo resolvido". O que aconteceu. A aprovação acabou por acontecer em Março de 2002. Esta decisão apanhou de surpresa até os próprios serviços do ICN que já tinham feito um primeiro parecer, em 1999, a dar luz verde ao empreendimento. "DN
Chumbo Estratégico? será uma figura nova do direito?
Isto quer dizer que por cá (apesar do parecer positivo do ICN) quem tinha que decidir, fez de conta que colocou entraves e fez-se caro, criando um contexto de viabilização difícil, propicio a uma saída com luvas. Como se diz por cá_puseram-se a jeito a ver se pingava alguma coisa .

ESTUPEFACTO: Leia aqui a carta Rogatória.

"Foi alegado que neste mesmo dia, o Ministro do Ambiente, José Sócrates, reuniu posteriormente com Sean Collidge, Gary Russell, Charles Smith e Manuel Pedro. Nesta reunião distinta, José Sócrates efectuou alegadamente um pedido que seria equivalente a um suborno para assegurar que a Avaliação de Impacto Ambiental apresentada fosse favorável. Alega-se que foi chegado a um acordo no sentido de que a Freeport efectuaria, por intermédio da Smith & Pedro, pagamentos a terceiros, relacionados com José Sócrates. Estas alegações resultam colectivamente da Carta Rogatória da Procuradoria Geral da República do Montijo, de 12 de Agosto de 2005, apoiada por uma lista de emails extraídos de computadores apreendidos aos escritórios da Smith & Pedro pela Polícia Judiciária portuguesa. Esta lista foi posteriormente fornecida pela Polícia Judiciária à Polícia da Cidade de Londres(...) Em acréscimo, as alegações são declaradas por Charles Smith numa reunião realizadacom Alan Perkins (um ex-funcionário da Freeport) e com João Cabral no escritório daFreeportemPortugal, no dia 3 de Março de 2006. Alan Perkins gravou um vídeo da reunião sem o conhecimento de Charles Smith. Esse vídeo encontra-se em anexo a um depoimento colhido pela Polícia da Cidade de Londres" Transcrito da carta rogatória
Lí a carta rogatória aqui e fiquei estupefacto, leia você também.
Acrescento que são tudo alegações, pois só passarão a factos provados no tribunal. A prova não é só testemunhal, há emails e um video gravado (não serve cá, mas serve lá, no RU um pais da UE com acordo de extradição), além do rasto do dinheiro que andam a seguir e vai ser fundamental. Tenho para mim, que isto é só a ponta de um iceberg. Outra convicção minha é que o novo dono do Freeporte não descansará enquanto não recuperar os milhões que desapareceram da empresa.

EXPRESSO: uma questão de sobrevivência

Desde que Balsemão, um grande accionista do BPP, precisou do dinheiro do estado para salvar o banco, nunca mais a redacção se atreveu a dizer as verdades do pais, aquilo transformou-se numa extensão do conselho de ministros.
O SOL, em risco financeiro, a precisar de vender, foi à luta, ocupou o espaço do extinto Independente e farta-se de vender papel, com um jornalismo sério e de qualidade, com a chancela de Antonio J. Saraiva. Podemos estar certo, que tudo está publicado com provas guardadas.
Já cheira a sangue, o governo vai cair e Balsemão tubarão já farejou o odor e virou o bico ao prego. Mudou-se a estratégia e as verdades começaram a ser publicadas, era preciso vender, era preciso limpar a face do jornal. Depois é preciso dar uma imagem de não alinhado ao novo governo. Creio que é Ricardo Costa quem faz agora a gestão do Expresso, e este, tenho-o em boa conta, acho que não teria figados para engolir sapos muito tempo.
PScr- Todos os dias os jornais me surpreendem. Se há dois dias já era suficiente para sócrates cair, hoje tudo está perdido, embora a teimosia e arrogância tudo negue até ao fim, à boa maneira de Chavez. Não tenho dúvidas que o Sol e Expresso têm provas do que afirmam, e o que se sabe é muito grave. Cavaco já disse que "o assunto é de estado ", portanto isto não é um bando de calúnias para entreter meninos. Resta-nos esperar e a justiça que se lembre que a montanha não pode parir um rato.
Carta Rogatória aqui

OS BRITÂNICOS 1º

“Os britânicos primeiro é a reivindicação de centenas de trabalhadores do Reino Unido, que se opõem à contratação de italianos e portugueses para a construção de uma refinaria. A primeira greve aconteceu, na quarta-feira, na refinaria da Total, em Lindsey, depois de a petrolífera ter entregue um contrato de 226 milhões de euros à construtora italiana IREM, que pretende recorrer a trabalhadores italianos e portugueses. Na sexta-feira a greve alastrou-se a outras unidades do Reino Unido, com centenas de trabalhadores a mostrarem-se solidários. Cerca de cem trabalhadores italianos e portugueses estão agora a trabalhar no projecto e espera-se um reforço de outros 300 mais tarde."euronews
Isto é aquilo a que eu chamo racismo provinciano acéfalo. Devem ser aqueles gajos que bebem até cair na praia da Oura.
Primeiro a TOTAL julgo ser Francesa, embora o capital possa estar disperso, portanto, deviam dar graças aos empregos criados em Inglaterra, quanto mais serem os operários a escolherem quem se há-de contratar.
Segundo, o empreiteiro é Francês, mesmo que fosse Chinês, contrataria os Italianos e Portugueses que entendesse.
O problema é que a mão de obra do norte da Europa é mais cara e tem mais direitos, e o nivelamento vai-se fazer por baixo numa altura de crise. São os sinais dos tempos.

LINDA REIS: Empossada Secr. Estado dos Assuntos Esotéricos

A Pomba Gira está de volta, num sonho o Dr. Sousa Martins disse-lhe que o PS estava a ser atacado por uma macumba do bruxo Alexandrino, encomendado por Leite, Louçã, Portas & associados.

Telefonou ao ministro da propaganda, que falou com Sócrates e Cavaco, e já foi a tomada de posse em segredo, para desfazer a campanha negra do Freeport.

O nosso 1º é que tinha razão.

Mas há um problema. O professor Karamba diz que vai impugnar tudo, porque não houve concurso público para o serviço.
Nota: No caso de alguém se perder, aqui fica o link para o SOL

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Davos???????!!!!!???


Mais vale fazerem uma jantarada bem regada de cidra...
Olhem! lembei-me agora, levem o sousa, parece que safou a familia da crise! pode ser que tenha receita para o resto.

A la Bastille

A la Bastille, chaque manifestant a ses raisons
2 000 000 Foi o número de pessoas que saíram às ruas em França, numa autententica rave social, ao jeito do Maio de 1968.
Uns pelos filhos, outros pelo desemprego, contra a politica de engordar bancos em detrimento das famílias, contra o ataque aos funcionários públicos, a favor do apoio à cultura e educação, mas todos por um futuro melhor, numa manifestação eclética. Nicolas já veio dizer que sim senhor, vão já começar a tratar dos problemas, é preciso tratar melhor as questões sociais.
Por cá, brada-se pela fome, miséria e desemprego, num canal monocórdico justificado pela barriga colada às costas. Por cá, nas respostas, ouve-se um zurrar arrogante, olha-se e vê-se Sócrates do alto da burra, com uma matilha de cães ingleses a correr atrás.
Eh pá, espera ai, por lá temos a Bruni, por cá...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Quem tramou o Sousa ?

Se a conjuntura já não era muito favorável a Sócrates, uma pitada de freeport deixou a caldeirada quase pronta a servir aos confrades de Ferreira Leite.
O processo começou entre 2002-2005 e ainda a procissão vai no adro, portanto isto não se vai resolver em meses e é uma situação insustentável para um 1º ministro em funções.
Está criado um pântano politico que coloca o Sousa entre entre a espada e a parede:
-Por um lado, escolheu o caminho de quem não deve não teme,
-Por outro está fragilizado e vai piorar, sendo isto mais um peso num barco que estava a afundar.
Não tenho duvidas que se estava a preparar eleições antecipadas, mas isto descontrolou-se e este motivo não lhe convém: simplesmente um 1º ministro envolvido num escândalo não se pode demitir e aparecer candidato.
A Ferreira Leite convém que isto dure mais umas semanas para o PS cair mais nas sondagens, e carregar às costas a maior parte da crise. Professores, enfermeiros, médicos, desempregados, militares e outros da procissão, vão-lhe morder os calcanhares todo o tempo.
Há ainda a questão doutrinária da saída da crise que para já corre mal. O governo, ao contrário de Obama, em vez de injectar dinheiro nas famílias e nas PMEs directamente, escolheu os monopoleos e os bancos que se descobre agora estarem atolados em corrupção e insolventes. O dinheiro canalizado via bancos chega aos cidadãos e empresas carregado de spreads, taxas, comissões, e é quando chega.
Resta esperar que o governo se atole no próprio lodo, para depois apanhar os cacos e fazer isto andar para a frente, de preferência sem corja.

Não é suspeito mas abram as contas...

A Procuradoria-geral da República voltou a dizer esta tarde que não senhor, não se passa nada de novo juridicamente relevante, não há arguidos, muito menos suspeitos. OK.
Então é comum mandarem-se abrir as contas de um cidadão sobre o qual não há suspeitas?
Os ingleses têm uma suspeita desde 2005, mas porque é que ainda não foi possivel confirmar?

Há almoços grátis?

O Público denunciou há um ano que José Sócrates assinou, na década de 80, dezenas de projectos de casas feitos por colegas seus, que estavam impedidos de os assinar por serem funcionários da Câmara da Guarda.
Sobre o inquérito interno da câmara: "Da leitura do texto conclui-se que não foi feita uma única inquirição, nem sequer aos técnicos camarários que confirmaram ao Público que, nalguns casos, Sócrates tinha assinado, sem nada receber em troca, projectos que eles não podiam assinar."
Alguém colocou o Público em tribunal por tal infâmia?
Se fosse o Zé isto ficava assim?
Para que serve o Ministério Público? tem autonomia?
Há separação de poderes em Portugal?
A que corrente arquitectónica pertenciam aqueles projectos?

O nemátodo só podia chegar a Espanha!

O nemátodo do pinheiro só podia chegar a Espanha, pois a política sanitária de combate à doença é um atentado, por todo o país cortaram-se árvores que ficaram a apodrecer no sitio, em pilhas, em vez de se queimarem.
Num terreno de família, tenho uma pilha de lenha a apodrecer há 3 ou 4 anos, mas isto observa-se por todo o país. Uma vergonha, a agricultura e a floresta estão ao abandono, baixando os rendimentos das áreas rurais interiores, promovendo a desertificação.
A politica destes senhores é de sacudir a água do capote, tratar da vidinha, deixa correr a ver se ninguém se queima. Do género: mudar a época de fogos para o inverno e a de cheias para o verão. Há milhões bloqueados no ministério da agricultura, o Presidente já disse que era preciso trabalhar mais para resolver estes problemas, mas... tudo com dantes no quartel general de Abrantes.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

É suspeito. E agora Sousa?

Lista publicada pelo independente em 2005

"As autoridades inglesas consideram o primeiro-ministro José Sócrates suspeito no caso Freeport, de acordo com a próxima edição da revista "Visão" que sairá para as bancas amanhã. Por seu lado, a revista "Sábado" afirma que "os investigadores ingleses querem ver as contas bancárias do primeiro-ministro."Publico

Os ingleses querem saber se José Sócrates facilitou ou recebeu dinheiro no licenciamento do Freeport e para isso solicitam abertura do sigilo bancário. Querem também entrar num domínio pessoal de Sócrates na Net, para terem acesso aos emails.

João Cravinho, saneado pelo PS, autor de uma proposta anti-corrupção, foi claro_ "um governo de gestão não pode aprovar um projecto daqueles"Freitas do Amaral, que foi para o governo de Sócrates fazer o tempo para a reforma e pôs-se a andar, lá veio retribuir o favor a dizer que sim senhor, está tudo dentro da lei.

Há quem diga que a nossa lei é muito boa, agora percebo, agrada a todos. Ouvi há pouco, a procuradora Cândida Almeida dizer, que não senhor, não se passa nada. É uma humilhação para a justiça portuguesa, terem que ser os ingleses a espicaçar o processo, confirmando o que dizem os estudos, que somos dos países mais corruptos da Europa. Enquanto o povo com a cabeça entre as orelhas lá vai remoendo nos brandos costumes, os patos bravos vão-se governando.

Acho interessante uma imagem que vi há dias na sic, em que a alteração à ZPE fantasticamente, só correspondia à área do Freeport de maior densidade. Eu questiono-me. Como é que essa alteração à ZPE, foi inocente e nada teve a ver com o Freeport? Apesar destes exercícios de prosa e ironia que se lêem nos blogs, José Sócrates não está acusado de nada e o que desejamos é que esta justiça desemperre e honre o pais, acabando com as suspeições e limpando o nome dos inocentes.

Quem é Alexandre Ventura?

É presidente do conselho cientifico para a avaliação de professores, um órgão do ministério da educação e docente da Universidade de Aveiro. Até aqui...
O problema é que este senhor participou no estudo "Politicas de Valorização do Ensino Básico em Portugal", em que na apresentação Sócrates disse ser_" necessário virem pessoas de fora para dizer bravo às politicas ministeriais"
A OCDE já esclareceu que não teve nada a ver com o estudo.
A propósito deste estudo diz Jorge Fontes (leitor daqui) O seguinte- "Cuidado com as precipitações! A OCDE não reconheceu absolutamente NADA sobre a política educativa do Governo. O Ministério solicitou um estudo (sobre o 1º ciclo) que seguiu a metodologia utilizada pela OCDE. Naturalmente, como sempre acontece com estes estudos encomendados pelo "dono" (entenda-se quem paga), os dados foram essencialmente facultados aos investigadores pelo próprio Ministério. Veja-se que o estudo salienta os bons resultados já conseguidos a Matemática... Todos sabemos como foi o grau de exigência das últimas provas desta disciplina... Aliás basta ver também que no que toca às Actividades Extra Curriculares do 1º Ciclo o balanço tem sido desastroso, com as crianças a "deitarem escola pelos olhos", a conhecerem 3 e 4 professores por ano para a mesma área... um terror fruto, a meu ver, de uma reforma bem intencionada mas executada de forma precipitada.Fica a transcrição do site do Ministério para se ver que, contrariamente ao que muitos órgãos de comunicação social afirmam, não se trata de nenhum estudo da OCDE. Aliás, um dos autores do estudo é nada mais nada menos que Alexandre Ventura, recém nomeado Presidente do Conselho Científico para a Avaliação de Professores. Como se vê, de estudo independente terá pouco. Aliás, como ainda dizia há dias, no "Prós e Contras" o Presidente da Câmara de Caldas da Rainha, Fernando Costa, já viram alguém pagar um parecer ou um estudo e ele dizer o contrário do que pretende quem o encomenda? Enfim, custa-me que uma reforma que embora tendo vários aspectos positivos tente ser legitimada e valorizada à custa de mais uma grande manobra de propaganda paga pelo contribuinte. "Solicitado pelo Ministério da Educação (ME), este estudo corresponde a uma avaliação intermédia, realizada durante a fase de implementação das reformas, com o objectivo de verificar se as medidas desenvolvidas estão a atingir os resultados previstos e se as estratégias adoptadas devem ser ajustadas em função da experiência.Liderada pelo professor Peter Matthews, esta avaliação seguiu a metodologia e a abordagem que a OCDE tem utilizado para avaliar as políticas educativas em muitos países-membros, ao longo dos anos, com resultados positivos." (Fonte: site do Ministério da Educação)" Jorge Fontes.

Voltaram as cheias.

Já não há pachorra para este país. Tenho saudades de um tempo pautado pela sazonalidade. Os telejornais já nem falam das cheias.
O solo está saturado de muitos dias de chuva e do degelo de alguma neve, terras baixas como na foto, estão já alagadas. As cheias (fenómenos lentos de subida das águas) são capazes de ser noticia por estes dias.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Exame de admissão?

Na década de 90, as universidades floresceram como cogumelos, com os tais cursos de lápis e papel, na área das letras e humanidades, nos quais não era exigido grande investimento, era tudo lucro. Cavaco e Guterres foram os padrinhos desta realidade. Portugal reconhecido internacionalmente pela excelência do ensino superior, passado 15 anos caiu em descrédito em muitas áreas. Apareceram algumas coisas boas, como a universidade de Aveiro.


O estado é o grande culpado, porque não regulou, mais uma vez, políticos, tinham quotas em sociedades que geriam universidades, e assim isto se aguentou décadas.

Ainda se chamou o professor Adriano Moreira, para dar ares de moralização do processo, mas como o senhor pôs a boca no trombone, chamaram-se ai uns auditores estrangeiros que o deixaram ao ridículo e este bateu com a porta.

Todos sabemos, que no paradigma social português todos querem o canudo. Até há pouco tempo, os estudos diziam que Portugal era dos poucos países europeus onde estudar compensava na ascenção social, dai a corrida ao ensino universitário, não interessando a qualidade.

E assim aqui chegamos. Agora o estado não pode atribuir as culpas da sua negligência aos recem formados.

Primeiro tem de ter a coragem de fechar as universidades sem qualidade, depois tem de dar formação aos professores que considera impreparados e não seguir uma lógica terrorista, em que tudo serve para a arruaça com os sindicatos, tudo é uma moeda de troca.

O APELO À MAIORIA ABSOLUTA

No espaço duma semana, dois antigos presidentes da República, Mário Soares e Jorge Sampaio, alertaram publicamente para o risco sério de a crise poder tornar Portugal "ingovernável". Por causa disso, Soares recomenda que uma nova maioria absoluta para o PS pode ser a solução. E Sampaio, sem se comprometer tanto, não deixa de dizer que "o problema de governabilidade, oculto pela existência de uma maioria absoluta, pode irromper nos próximos tempos de forma dramática". Não é abusivo concluir que, tal como Soares, Sampaio prefere que a maioria absoluta do PS se mantenha.
Nenhum desses avisos vem por acaso. O facto é que o principal interessado neste discurso, o Governo, já entrou em campanha eleitoral para revalidar a maioria absoluta. Como desta vez não há o caos de 2004 nem o efeito Santana Lopes, o PS precisa de diversificar as suas fontes de inspiração. Sócrates pode assumir a paternidade de medidas externas como a descida dos juros, que ninguém o questiona. Mário Lino quer detalhes completos sobre que inaugurações andam por aí a ser celebradas para o Governo não perder oportunidades. E o Conselho de Ministros aprovou patrioticamente a mais recente oferta às construtoras civis de permitir ajustes directos, um procedimento excepcional e sempre melindroso, para empreitadas com o valor anódino de 5,150 milhões de euros. São assim os governos com maioria absoluta.
O pressuposto de que a nossa governabilidade depende da existência de maiorias absolutas obedece a uma certa lógica histórica. Quando no final da década de 80 Cavaco Silva insistia na maioria absoluta como condição de governabilidade, estava a falar para um País anormal onde os governos não conseguiam terminar uma legislatura. Mas as nossas circunstâncias mudaram. Hoje, o discurso da governabilidade como fundamento duma maioria absoluta não pode repetir o velho diapasão da estabilidade, porque a questão da governabilidade do País não pode ser reduzida à simples estabilidade institucional.
O que tanto Soares como Sampaio não disseram com clareza é que, como estes últimos anos demonstraram, uma maioria absoluta pode ser suficiente para gerar estabilidade institucional, mas insuficiente para trazer estabilidade política. A estabilidade política precisa de mais do que um Governo com a liberdade para aprovar leis no Parlamento e o poder para se defender das oposições. Fazer de Portugal um sítio governável implica actuar sobre as causas que há dez anos nos impedem de crescer e sair da estagnação. Que valor pode ter um Governo de maioria absoluta, do PS ou do PSD, que se mostra incapaz de afrontar os problemas essenciais do País e de abrir perspectivas? A estabilidade depende dessa coragem e não das maiorias absolutas.

Por Pedro Lomba daqui

A teoria da Cabala

Cavaco Silva, enquanto Primeiro Ministro (PM), na primeira metade da década de 90, falava de forças de bloqueio, que não o deixavam governar: «deixem-nos trabalhar», dizia ele frequentemente. O vértice das forças de bloqueia era o próprio Presidente Soares. E, de facto, este muito fez para prejudicar politicamente o governo de Cavaco.
Agora, o actual PM, Pinto de Sousa, não sente o bloqueio do Presidente, o mesmo Cavaco, mas fala de cabala. Chega mesmo a sugerir que o caso Freeport foi «ressuscitado» para o prejudicar, em ano de eleições. Não seriam só os partidos da oposição a construir a cabala. Também a justiça, a PJ, o MP estariam aliados. Foi necessário que o representante do sindicado dos juízes se insurgisse, pedindo explicações, para que o PM se encolhesse.
Dá a impressão de que o PS gosta muito deste conceito. Segundo eles, já com Ferro Rodrigues terá havido uma cabala contra o PS no caso Casa Pia (Pedroso, número dois do PS de então e o próprio Ferro Rodrigues, Secretário Geral).
Se calhar, o patriarca Soares, que se mantém, como sempre, muito flexível para os meandros da política, ainda vai também ser acusado de participar na cabala. Então não é que o senhor ex-Presidente, sempre solícito no apoio, vem agora sugerir que o Secretário-Geral do seu partido, ao propor como grande medida do seu programa o casamento dos homossexuais, está a querer armar-se em radical de esquerda?
Honra seja feita ao Ministro da Presidência, Silva Pereira, o qual, encantinhado por Mário Crespo na entrevista de hoje (26 de Janeiro) à Sic, prefere falar de «campanha negra». Afinal, sempre é mais criativo.
O curioso de tudo isto é que o importante, no caso Freeport, o que acentuam quer o governo quer os media, não é a procura da verdade, mas o momento das averiguações. Parece que a substância não interessa, importante é o timing .

Na verdade, o horizonte está negro. Muito negro. Foi enegrecido por quem se queixa de «campanha negra».

Marcos Tavares

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

ME: sucesso por encomenda.

Sala de aula 1º ciclo, de uma escola modelo, deste ministério
Anda por ai um documento de propaganda, que dá por nome relatório-"Política Educativa no 1º CEB (2005/08)" elaborado por um talzinho de Peter Mathews (parece que faz também uns biscates à OCDE) encomendado e pago pelo Ministério da Educação. Quando ouvi, assim a frio, aqui del rei mundos e fundos, estranhei, porque ainda não ouve tempo para se avaliar o que resultou no 1º ciclo.
Nos princípios, todos concordamos. Divergimos é na forma, no populismo, no faz de conta à custa de emprego precário e condições materiais miseráveis, que saltam à vista por todo o lado. Postarei aqui umas fotos qualquer dia, deste maravilhoso mundo educativo:
-escolas boas fechadas e centros educativos de província em contentores
- Não há refeições, são os pais que interrompem trabalho para o fazer
-Inglês e ginástica longe da escola, em que os pais têm de fazer transporte
- As camaras estão falidas, pois ficaram com os equipamentos, funcionários, transportes, factura dos magalhães, mas estas competências novas, não trouxeram mais orçamento e são os pais que estão a aguentar isto, enquanto o governo se vangloria_ esta é a realidade.
Na formação estamos de acordo, alguns professores formados em sítios pouco recomendáveis, deixados abrir, por Cavaco e Guterres, baixaram a qualidade no 1º ciclo especialmente, associado a um sistema de colocações, onde uma turma de 1º ciclo num ano pode ter três professores. Portanto a solução é mais formação a quem já entrou, fechar cursos sem qualidade, e não exame à entrada da carreira. É o estado quem tem de zelar pela qualidade desses cursos.

Não consegui ler o tal relatório de propaganda pelo que encaminho para Ramiro Marques e MUP

Para isto Sr. Engenheiro?

_Para quê Sr Primeiro ministro? para isto:
"Na educação decorreu a triste estória que todos conhecemos. O trio irascível e incompetente continuou a sua saga de destruição da Escola Pública. Falta de auxiliares e crianças ao abandono, amianto cancerígeno espalhado por muitas escolas do país. O interior serrano que continua sem aquecimento, o transporte escolar sem segurança (autocarros com mais de 20 anos, sobrelotados), novos centros escolares em contentores, com crianças a fazerem 70 Km por dia. Nas escolas metropolitanas armas brancas, insegurança e agressões, cantinas privatizadas onde a ASAE não vai porquê?. No primeiro ciclo prolongamento de horário com professores a recibo verde a oito euros hora, em contentores ou longe da escola, em que os pais têm de movimentar os alunos em horário de trabalho.Depois de um monstro legislativo criado, obeso, centralizado, sem flexibilidade e adaptabilidade à realidade escolar, vieram as alterações, os remendos, reclamados por um país que não aceita esta politica educativa, de degradação da escola pública com objectivo último de a tornar num negócio, como fizeram no notariado, nas águas, nos lixos, nos transportes, na saúde.Após duas manifestações, 230 000 professores na rua, centenas de documentos aprovados democraticamente por pais e professores em todo o país, contra esta política e este governo, Sócrates continuou autista, provando que o seu objectivo é eleitoralista e não melhorar a escola, fingir que faz e não cede, enquanto vai cedendo não fazendo, porque o esqueleto das politicas foi mal concebido. O Ministério da Educação fez algo de impensável em qualquer organização, desprestigiar e insultar os seus funcionários publicamente, desmotiva-los. Quem faz isto não pretende qualidade na Escola Pública… devem reflectir os Portugueses sobre isto." integral aqui

ELES COMEM TUDO


. . .

domingo, 25 de janeiro de 2009

Alegre-Pressões-Transparência

Em 23.1.2009: “Manuel Alegre criticou hoje o discurso do ministro Augusto Santos Silva sobre liberdade e responsabilidade, avisando que não responde perante nenhum membro do Governo, mas atacou também a pressão exercida por alguns professores em relação aos deputados.(…)”_”Houve um tipo de pressão feito por alguns professores sobre os deputados e que demonstram que eles estão mal informados sobre o que se passa na Assembleia da República. E demonstra-se que eles estão mal informados porque até mandaram e-mails a deputados que têm votado a favor [das propostas da oposição para a suspensão da avaliação]" Fonte

O Dr. Alegre tem razão quando critica Santos Silva. O deputado foi eleito pelo povo e a ele deve satisfação. A disciplina de voto é uma criação da partidarite, criando um sistema macrocéfalo de controle absolutista do país, favorável à corrupção, ainda mais quando existem maiorias absolutas.
Bem, dizem alguns_assim seria a anarquia e os governos seriam ingovernáveis. De acordo. Mas estão mude-se o sistema eleitoral, faça-se a regionalização. Façam como quiserem, os deputados têm é de responder e votar condicionados pelos seus eleitores e necessidades regionais.

É preciso transparência, os deputados têm de dar cavaco, e assim Dr. Alegre, talvez os eleitores não confundam as intenções de voto dos deputados. Lanço aqui um apelo, de criar uma página, ou começar por os blogs terem um espaço para acompanhar-mos por regiões os deputados eleitos e o que fazem pelos eleitores. Chega desta gente andar em auto-gestão. Vamos avaliar os políticos. Está aberta a discussão.

AS LUVAS

made in Cartuning

sábado, 24 de janeiro de 2009

ME poderá ser acusado em tribunal.

Disse Garcia Pereira este sábado. «Há várias violações de princípios constitucionais que poderão fundamentar o desencadeamento dos meios que os professores entenderem mais adequados, com vista à reposição da legalidade»
Acrescentou ainda, esperar ter pronto dentro de poucas semanas um parecer jurídico que lhe foi encomendado por um grupo de professores. Relembro que este senhor, independentemente das posições políticas é um feroz advogado no Direito do Trabalho.

Desde sempre, é público e notório, a manifesta incapacidade deste ministério de estruturar um articulado legislativo simples, que pudesse responder às necessidades do sector. Os atropelos à constituição e a outras leis de base são frequentes, e é com base nesta grande fragilidade, que se seguirão os próximos passos desta luta. Dinheiro não faltará, 150000 professores, com uma pequena contribuição, farão o milagre dos peixes.

Os sindicatos já poderiam ter avançado para uma forte batalha judicial: por vezes questiono o marcar passo. Enfim... gerem a sua agenda, tentam ter sempre uma moeda para trocar com o ministério. Mas os professores já mostraram que lideram o processo, e mais uma vez partem para uma batalha judicial, em que a plataforma concerteza se associará.

Nesta nova etapa, o governo pode continuar com a cabeça entre as orelhas, fazendo tábua raza da lei, mas não se esqueça que no dia das eleições, não são os professores que vão ser avaliados por esta politica negligente em que os interesses partidários foram colocados à frente do pais.
Pscr.- _Sr. Procurador! é necessário que os governantes comecem a pagar do seu bolso erros crassos na governação que lesam o país.

É só isso que interessa?

"Saiu vitorioso o grupo parlamentar socialista que se impôs a uma proposta que era uma autêntica moção de censura." Alberto Martins

Tudo se resume a um mero exercício político. O parlamento, transformado numa passerelle de vaidades politiqueiras.
Lá fora, no país real, a comunidade escolar pega fogo. A intranquilidade nas escolas é enorme, reina um clima de caça às bruxas, muita gente não se encara, não se trabalha em equipa, as pessoas fecham-se, acabou-se o voluntarismo.
Os políticos e outros esquecem que ser professor, implica disponibilidade psicológica, emotiva, humanidade, o que não é possível neste clima. Muitos zombam disso, pois na avençazinha que xuxam naquelas universidades independentes e modernas, vendem aulas com uma pedagogia horrível; quando lá vão…

FREEPORT: diz o Independente em 2005


Fonte imagem


Clik na figura para ficar em bom tamanho

Na altura, a Polícia Judiciária negou que José Sócrates fosse suspeito de envolvimento no caso "Freeport de Alcochete" e assegurou que esta lista "não fazia parte integrante de qualquer processo". FONTE

A QUEM VAI SERVIR O TGV?

Este é o pensamento político que temos em Portugal, está em todas: Estádios de futebol, hoje às moscas, TGV, novo aeroporto, nova ponte, auto-estradas onde bastavam estradas com bom piso, etc.
A quem na verdade serve tudo isto?
Aos fabricantes de material ferroviário, às construtoras, aos bancos. Não aos contribuintes e seus filhos, que ficarão gerações a pagar isto, adiando o desenvolvimento do país.
Experimente ir de Copenhaga a Estocolmo de comboio. Comprado o bilhete, dá consigo num comboio que só se diferencia dos nossos 'Alfa' por não ser tão luxuoso e ter menos serviços de apoio aos passageiros.
A viagem, através de florestas geladas e planícies brancas a perder de vista, demorou cerca de cinco horas.
Não fora conhecer a realidade económica e social desses países, daria comigo a pensar que os nórdicos, emblemáticos pelos superavites orçamentais, seriam mesmo uns tontos.
Se não os conhecesse bem perguntaria onde gastam eles os abundantes recursos resultantes da substantiva criação de riqueza?
A resposta está:
. na excelência das suas escolas,
· na qualidade do seu Ensino Superior,
· nos seus museus e escolas de arte,
· nas creches e jardins-de-infância em cada esquina,
· nas políticas pró-activas de apoio à terceira idade.

Percebe-se bem porque não:
· construíram estádios de futebol desnecessários,
· constroem aeroportos em cima de pântanos,
· nem optam por ter comboios supersónicos que só agradam a meia dúzia de multinacionais.

O TGV é um transporte adequado a países de dimensão continental, extensos, onde o comboio rápido é, numa perspectiva de tempo de viagem/custo por passageiro, competitivo com o transporte aéreo. É por isso que, para além da já referida pressão de certos grupos que fornecem essas tecnologias, só existe TGV em França ou Espanha (com pequenas extensões a países vizinhos).
É por razões de sensatez que não o encontramos :
· na Noruega,
· na Suécia,
· na Holanda
· e em muitos outros países ricos.

Tirar 20 ou 30 minutos ao 'Alfa' Lisboa-Porto à custa de um investimento de cerca de 7,5 mil milhões de euros não trará qualquer benefício à economia do País. E, dado ser um projecto praticamente não financiado pela União Europeia, ser um presente envenenado para várias gerações de portugueses que, com mais ou menos engenharia financeira, o vão ter de pagar.

Com 7,5 mil milhões de euros podem construir-se:
- 1000 (mil) Escolas Básicas e Secundárias de primeiríssimo mundo que substituam as mais de cinco mil obsoletas e subdimensionadas existentes (a 2,5 milhões de euros cada uma);
- mais 1.000 (mil) creches (a 1 milhão de euros cada uma);
- mais 1.000 (mil) centros de dia para os nossos idosos (a 1milhão de euros cada um).

E ainda sobrariam cerca de 3,5 mil milhões de euros para aplicar em muitas outras carências como, por exemplo, na urgente reabilitação de toda a degradada rede viária secundária.
Cabe ao Governo reflectir.
Cabe à Oposição contrapor.
Cabe-lhe a si participar
Por António Gavinho

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

OS PUNHOS SOCIALISTAS ACORRENTADOS



PS chumba projecto do CDS-PP para suspender avaliação dos professores. Publico

"Os punhos socialistas foram acorrentados"

Os bons amigos.

SÓCRATES o extremista radical!


Bem! afinal Sócrates é da extrema esquerda?

Não quero que o povo morra. Só que o negócio corra!

Novo dia D no processo da avaliação dos professores. Um projecto do CDS que pretende a suspensão e propõe soluções, será votado. Estes deputados professores (Odete João-Leiria, Fernanda Asseiceira-Santarém, João Bernardo-Aveiro, Rosa Maria Albernaz-Aveiro, Paula Barros-Vila Real, Jorge Fão-V.Castelo, Rosalina Martins-V.Castelo, Ricardo Gonçalves-Braga, Fernando Cabral-Guarda, Bravo Nico-Évora, Paulo Barradas -Viseu, Isabel Coutinho -Braga, Cláudia Vieira -Viseu, Miguel Ginestal-Viseu, José Junqueiro-Viseu, Jovita Ladeira-Faro, Aldemira Pinho-Faro) poderiam fazer a diferença. Mas num partido que se diz democrático, Alberto Costa e Santos Silva, mandaram os servis deputados votar contra a escola pública. Os senhores deputados farão a escolha entre: desbloquear o processo e fazer o país evoluir, ou, olhar para o umbigo e deixar a vidinha seguir.
Como dizia o cangalheiro_ “eu não quero que o povo morra, eu só quero que o negócio corra.”

PScr-Lateralmente tem a lista de deputados professores que lixam a escola pública, clik no nome e envie directamente um email, agradecendo e dando bons conselhos para a próxima. Já agora, aproveite e comunique a sua intenção de voto nas proximas legislativas.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Em nome da Educação, demitam-se!!!

Faço questão de iniciar este comentário com uma saudação a todos os colegas que têm resistido à chantagem, às ameaças e aos prazos, não entregando o documento dos objectivos individuais. Quero também saudar efusivamente os mais de cem mil professores / educadores que na passada 2ª feira estiveram em greve. Duas paralisações na casa dos 90%, no espaço de um mês e meio, são um facto sem paralelo no sindicalismo português. Um bem-haja a todos quantos assim reivindicam a razão dos seus direitos.
Também quero convictamente afirmar que a avaliação de desempenho dos educadores e professores portugueses é um requisito fundamental para a valorização profissional, para a dignificação da escola pública e para a melhoria da qualidade do ensino em Portugal.
Mas comprovadamente reafirmo que o modelo imposto pelo ministério nunca servirá nenhum desses objectivos, até porque não foi criado com esse desígnio. E como diz o aforismo que o que nasce torto…, está sobejamente entendido que as avulsas e sucessivas remodelações se limitam a manobras tácticas de protelação com intuitos eleitoralistas.
Consequentemente concluo que o modelo de avaliação de desempenho saiu da esfera técnica e profissional e passou exclusivamente para o domínio político. Não vale a pena insistir nas incongruências, na inexequibilidade, no dislate ou na patranha que enferma este funesto projecto governamental. Já toda a gente percebeu que o desiderato ministerial na sua essência nunca será aplicado porque não é aplicável e porque os professores não o querem e de forma eloquente já o declararam. A substância em causa não tem espaço de negociação.
Importa sim perceber porque é que a emproada ministra e seus acólitos teimam na sua execução, mesmo que seja na enésima versão que já em nada corresponde á sua matriz de concepção, e porque é que o engenhoso 1º ministro segura o que resta deste embuste e mantém o que sobra deste ministério!
Tenta-se salvar a face política de um governo que sobre esta matéria já não governa. Tenta-se fazer acreditar que o processo está em decorrência dizendo-se ao povo que as regras são unas e que agora é que todos "entraram nos eixos". Tenta-se escorar a contestação em conformidade com as projecções eleitorais. É a proclamação da soberania do parecer escoltada por gizadas atoardas de zelosos secretários de estado a apelarem ao conformismo a troco de benesses, por propagadas ameaças de assanhadas directoras a instigarem processos disciplinares e por matreiras comunicações de abuso de poder difundidas pelos serviçais comissários políticos. Tudo é possível no reino da fantasia mesmo que a imaginação roce a malcriadez despótica. Vale tudo para fazer de conta que tudo está a rolar, mesmo sabendo-se que o que passa é aragem sem nada levar na carruagem. Por isso é que não embarcamos nesta viagem. Por isso é que por duas vezes mais de 80% dos professores/educadores deste país fizeram da rua o palco da sua indignação. Por isso é que por duas vezes mais de 90% fizeram da greve a sua forma de contestação. Por isso é que este longo cordão de acumuladas forças, construído genuinamente em cada escola, constitui um movimento social inédito que extravasa as fronteiras do sindicalismo ou de qualquer outro dirigismo.
Este ministério, este governo e este país, não estavam preparados para a nossa capacidade de afronta e réplica à prepotência ministerial, nem supunham sermos capazes de agrupar meios interventivos e de combate por uma outra escola e um outro Portugal. Com dignidade soubemos construir o muro de uma oposição profissional que nos coloca na notabilizada tribuna das grandes batalhas sociais e nos atesta com um capital de luta de património intemporal.
O êxito da contestação é aferido em cada contenda. A extraordinária adesão à última greve marca de forma indelével o desfecho desta nossa luta.
Contra as ameaças fomos temerários e não temerosos.
Contra os prenúncios fomos determinados e não deterministas.
Contra as desonras fomos íntegros e não integrados.

Um governo socialmente responsável e consciente jamais teria permitido que a obstinada teimosia do Ministério da Educação degenerasse numa destabilização generalizada em que se encontram as escolas e todo o sistema de ensino, que só não atinge níveis insustentáveis porque os professores/educadores respondem às agressões institucionais com brio e dignidade no exercício profissional.
Senhora e senhores do poder ministerial, sejam educados e em nome do bom-nome da Educação, demitam-se!!!

José Maria Cardoso
Professor / Barcelos

FREEPORT:tio de Sócrates testa de ferro?

"Júlio Monteiro, tio de José Sócrates, e empresas de que é proprietário foram, esta quinta-feira, objecto de buscas para apreensão de documentos no âmbito do processo «Freeport».
As diligências foram realizadas pelo Departamento central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) e pela Polícia Judiciária.
O tio do Primeiro-ministro disse ao semanário «Sol» que a polícia lhe apreendeu documentação relativa a offshores antigas e que lhe terá falado de um e-mail relacionado com o tráfico de influências para o licenciamento do Freeport de Alcochete.
Também Vasco Vieira de Almeida, advogado do Freeport, foi alvo de buscas. Sobre ele recaem suspeitas de que tenha recebido via offshores, vários milhões de libras.
O advogado disse ao semanário «Sol» que não se pronuncia sobre a sua vida profissional." in TVi

Isto está a ficar interessante. O semanário Sol está em campo com Felicia Cabrita, uma espécie de perdigueiro do jornalismo, com um pedigree onde consta a Casa Pia.

Ninguém é culpado enquanto não for acusado, provado em tribunal e transitado em julgado, no entanto algumas peças começam a encaixar, percebe-se aqui uma lógica no rumo da investigação...

Todos nós esperamos pela clarificação da justiça e ainda mais os implicados se estiverem inocentes.

Mas...neste pais, com a justiça que temos, em que Marinho Pinto é abafado quando diz verdades, em que os politicos não têm interesse em pôr a justiça a funcionar, se alguém for acusado será um milagre.

Apesar disso todos esperamos por um milagre!

PScr-Lateralmente tem a lista de deputados professores que lixaram a escola pública, clik no nome e envie directamente um email, agradecendo e dando bons conselhos para a próxima. Já agora, aproveite e comunique a sua intenção de voto nas proximas legislativas.

DGRHE-Um verdadeiro atentado


Foi tornado público, no passado dia 13 de Janeiro, o "Guia da Avaliação do Desempenho"

É conveniente que tenham conhecimento e, em particular, desmascarem o atentado do ponto que destaco.

É imperioso que as bancadas parlamentares estejam atentas a este atentado contra os direitos básicos dos professores, numa manobra que, a meu ver, raia a inconstitucionalidade. Na prática, é retirado ao docente um direito consagrado por lei e aplicado a todos os trabalhadores:

Para efeitos de determinação do grau de cumprimento do serviço lectivo, no Item A1 da ficha, deverá ser tido em conta o disposto no artigo 103.º do ECD.


– O item A2 pretende avaliar a disponibilidade e o empenho do docente em garantir que as aulas previstas para as suas turmas são efectivamente dadas.
– Para este efeito, ao contrário do que acontece relativamente ao item A1, são objecto de apreciação todas as ausências, salvo quando o docente se encontre efectivamente em serviço (por exemplo, em visitas de estudo) ou no exercício do direito à greve.(página 7)

Ou seja, um professor tem direito a faltar, por doença, por nojo... mas se não garantir posteriormente que essas aulas são "repostas", "compensadas" é prejudicado. Aliás, até o direito de faltar por desconto nas férias lhe é retirado, na prática, pois faltando e não repondo, vai ser prejudicado. Contudo, repondo as aulas, ninguém lhe repõe o que lhe é descontado no subsídio de alimentação nem sequer o dia de férias.

É absolutamente inaceitável, é um autêntico atentado aos direitos mais elementares de qualquer trabalhador.
Cordialmente, Fátima Inácio Gomes - Professora da Escola Secundária de Barcelos.
Eu acho que a ministra e os ajudantes de campo, prestam um péssimo serviço ao país.
Sabe porque?
O senhor contribuinte sabe quem paga estas imcompetências?
Todos nós.
Quando é que os políticos pagam do bolso este tipo de erros crassos?
Esta não sei! mas para eles pagarem, sei em quem não voto...
Entre aqui e reflicta sobre o estado da nação

SÓCRATES- WE CAN



"O futuro secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, admitiu, nesta quarta-feira, que cometeu erros na sua declaração de Imposto de Renda(-35000$), acrescentando que não foram propositados. Foram erros de falta de atenção, foram erros evitáveis, mas não foram intencionais - disse durante audiência da Comissão de Finanças do Senado, que discute a confirmação do nome de Geithner para o cargo. - Assumo a responsabilidade absoluta pr eles. Corri atrás e corrigi esses erros. Já paguei o que devia" in o Globo
Obama referiu também que vai reduzir os salários dos seus colaboradores, considerando que numa altura de crise o exemplo vem de cima, sobretudo de quem recebe muitissimo mais do que aquilo que necessita.
Sócrates admira Obama. Será só pela silhueta, corte dos fatos, oralidade?
Sr. Sócrates o que se faz por cá? haveria coragem?

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

BRAGA QUER BATALHA FINAL


Braga: professores querem greve antecipada por tempo indeterminado.



Quem deu o tom? quem escolheu este caminho? a resposta está aqui

PScr.-Lateralmente tem a lista de deputados professores que lixaram a escola pública, clik no nome e envie directamente um email, agradecendo e dando bons conselhos para a próxima. Já agora, aproveite e comunique a sua intenção de voto nas proximas legislativas.

PROFESSORA pede demissão da coordenação de Departamento

Fátima Gomes, professora da Escola Secundária de Barcelos, demite-se de coordenadora de departamento, cansada do pântano legislativo em torno da avaliação que tudo bloqueia e nada resolve, cansada de fazer parte de um Conselho Pedagógico que foi esvaziado de competências pelo ministério, cansada de prejudicar o trabalho com os alunos em prol do monstro. Refere ainda a degradação relacional entre colegas, mas apesar de tudo, está fora de questão abandonar a luta.
“Não quero, não posso, tirar proveito de algo que me repugna e contra o qual tenho lutado. Onde ficaria a minha dignidade? O meu amor-próprio? A minha decência? O meu sentido de justiça?”

SANTOS CONTROLEIRO - Rogai pelo PS

Este é o homem dos sete instrumentos, desde propaganda a bengala de Lurdes Rodrigues, anda frenético. Agora também na investidura de controleiro às portas da votação de mais um diploma do CDS-PP que prevê a suspensão do modelo de avaliação de professores.

Esta figura da etnografia parlamenteira, ao jeito_" agarrem-me que eu bou-me a boceses", anda receoso que a politiquice educativa não suba aos céus, ficando-se o prometido messias com a ressurreição adiada. Por mim enterrem o chefe messias e o papiro, aliás, queimem-nos, porque nem as minhocas e outros saprovoricos os querem.

PScr.-Lateralmente tem a lista de deputados professores que lixaram a escola pública, clik no nome e envie directamente um email, agradecendo e dando bons conselhos para a próxima. Já agora, aproveite e comunique a sua intenção de voto nas proximas legislativas.