quarta-feira, 29 de abril de 2009

Só trapalhadas! Onde está o rigor e a ética?

Mais um dia de trapalhadas.
Em Castelo de Vide filmam crianças sem o consentimento das famílias e apresentam-nas no tempo de antena do PS. A propaganda a quanto obriga!
Em Fafe pressionam os alunos a denunciarem os seus professores. Parecem tiques da "Outra Senhora".
Afinal este Partido Socialista onde escondeu o seu socialismo?

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Agora avalia-se “à peça”


Segundo o Jornal de Notícias e o Público os polícias vão ser avaliados “à peça” como se fossem costureiras, sem desprimor para as costureiras. Nas esquadras de polícia estão afixados objectivos para as detenções pelo que proponho para a PSP o slogan “detenha um cidadão e terá uma boa avaliação”.
A mania deste Governo de tentar avaliar tudo “à peça” na Educação, na Justiça, em toda a Função Pública em detrimento da qualidade promete levar Portugal a novos patamares de progresso a que as gerações futuras vão, seguramente, chamar “sogresso”.
Nas escolas já se nota este “sogresso” com os professores a se digladiarem entre si na ânsia de impressionar o “novo” director. Nas Finanças quando o assunto é complexo, e demorado, temos que tirar mais senhas para não prejudicar o funcionário. Nos tribunais todos vão fugir dos processos complicados…
O maior cego é quem não quer ver! A avaliação por objectivos nos bancos levou os funcionários a emprestarem dinheiro sem critérios rigorosos. Agora estamos a pagar essa mania dos objectivos com uma crise que tudo parece levar no turbilhão!
Toda esta mania da avaliação “à peça” de José Sócrates vai-nos levar longe

GRIPE: DEPOIS DAS GALINHAS OS PORCOS

Depois da gripe das galinhas, chega agora a suína. São sempre momentos de histeria colectiva, amplificados pelos mass-média. Antes assim, que isso previna os incautos. No entanto aqui neste pais de brandos costumes, seria razoável que se aplicasse a quarentena aos viajantes - o que não está a acontecer.
CONSELHO: Se lhe cheirar a porca, pense duas vezes.

Só agora

Ministro das Finanças confirma afastamento de dez dirigentes de topo da função pública

Mais vale tarde do que nunca. Tenho pena que só o eleitoralismo os faça mexer.

sábado, 25 de abril de 2009

25 ABRIL: para memoria futura

Haja memoria , SEMPRE, deste dia. Acho mau o dr Jardim não o ter comemorado.
Pelo continente, creio que se revestiu de maior importância a comemoração do 25 Abril, depois desta etapa negra da nossa fraca democracia, caracterizada por perseguições policiais aos sindicatos, aos jornalistas, pressões na administração pública, espezinhamento dos direitos dos trabalhadores contrastando com os privilégios concedidos aos bancos, monopoleos e outros à mesa do orçamento, que metem dinheiro nos partidos pela porta do cavalo.
No que me toca, tem sido insuportável e ofensivo o autoritarismo, a incompetência e a perseguição do ME. O que aconteceu na escola foi autentico terrorismo politico, que foi denunciado e continuará a ser. Depois das eleições mais se irá saber sobre esta desgraça que se abateu sobre nós. Por isso não baixemos os braços perante um espírito de Abril que não está consolidado.
Votemos em peso nas próximas eleições noutra alternativa, só assim consolidaremos Abril.
RECADOS:QUANDO NOS ABSTEMOS DA NOSSA CIDADANIA DAMOS ESPAÇO A CERTOS POLÍTICOS POPULISTAS E CORRUPTOS QUE SE MONTAM NO APARELHO DE ESTADO E O SUGAM, UTILIZANDO A REPRESSÃO PARA NOS CALAR.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

AVÔ CANTIGAS ODEIA OS PROFESSORES

"Vital Moreira, reputado professor de Direito da Universidade deCoimbra, foi, este fim-de-semana, no Congresso do Partido Socialista,dado a conhecer como cabeça de lista deste partido nas próximas eleições para o Parlamento Europeu.Vital Moreira é uma personalidade com um passado e um presentepolítico conhecido de boa parte dos portugueses. O que, talvez, nemtodos saibam é que este mestre de Direito nutre um profundo desprezopela classe docente, só comparável ao da actual Ministra da Educação.De facto, em 18 de Novembro de 2008, no jornal "Público", VitalMoreira faz um dos ataques mais rasteiros e mais odiosos que me foidado ler em todo este processo de luta dos professores contra o actualsistema de avaliação. Que diz aí Vital Moreira? Básicamente quatro coisas, a saber:
a) Que não existe qualquer razão para que os professores não sejamavaliados para efeitos de progressão na carreira,
b) Que os professores não gozam de direito de veto em relação às leisdo país, nem podem auto-isentarem-se do seu cumprimento, pelo que nãoé aceitável qualquer posição que implique resistência à aplicação doactual modelo de avaliação;
c) Que o governo não pode ceder às exigências dos professores, devendo antes abrir processos disciplinares a todos aqueles que ponham em causa a concretização da avaliação dos docentes tal como foic ongeminada pelo Ministério da Educação;
d) Que o governo, na batalha contra os professores, deve esforçar-se por chamar a si a opinião pública, isolando, desta forma, a classe docente.Este é o pensamento de Vital Moreira, onde a sua veia caceteira surge bem expressa. Mas, mais do que isso, este texto, publicado no"Público", revela-nos um verdadeiro guia político da acção do Ministério da Educação contra os professores.Que cada colega não perca a memória e dê a devida resposta a este senhor nas eleições para o Parlamente Europeu, é o mínimo que está aonosso alcance. "do cartel
Pscr: O cantigas, veio hoje apregoar (falando de politica nacional em eleições europeias ao arrepio do que disse) que o pinoquio se não tiver maioria se vai embora amuado. Eu até recomendo que contrate umas carpideiras para dar estardalhaço ao choradinho. Haja paciência, afinal a missa de Espinho pariu um rato de bigode.

HÁ ALMOÇOS GRATIS?



O PS cedeu o nome de três deputados para viabilizar a candidatura de Mário Brochado Coelho ao cargo de Provedor de Justiça. O líder parlamentar do BE, Luís Fazenda, destaca a solidariedade parlamentar.
Estamos todos comovidos com estes xuxalistas.
Quanto vai custar?Talvez uns acordos parlamentares na próxima ligislatura.
Pcsr: A manelinha mandou a regionalização pras calendas. De acordo, não é oportuno, no entanto este centralismo que centra os recursos e a corrupção em Lisboa também não é solução. É preciso encontrar um modelo de base regional, em que todos vão a Lisboa reivindicar uma parte do queijo e os eleitores regionalmente avaliarão como vai o governo da coisa. É preciso garantir que não há mais lugares nem mais orçamento: cortem-se os governos civis, as CCRs, um terço dos deputados pode ir ao ar, para não se atrapalharem uns aos outros. É preciso garantir que não germina mais uma classe de corja que conta espingardas e lambe taxos. Chega, não se fez o 25 Abril para isto.

FREEPAU

É com grande cara de pau que o 1º tem dito que os recados do Cavaco não eram para si, como não fosse ele o obreiro do desgoverno português.
Outra manobra de diversão à pinocratino foi dizer que ia processar o C.Smith por difamação. No entanto, gostaria de saber com base em quê? O dito cujo, disse-o em particular, aparecendo numa gravação não feita nem divulgada por si. A gravação faz parte de um lote de provas inglesas, parece que sem validade cá como prova, portanto neste caso também não será aceite. Quando muito processará a TVi por divulgação, acontece que o assunto é grave e tem interesse publico legitimando a divulgação. Não sendo jurista, penso que isto é do senso comum.
O nosso 1º vem agora com a tese que o peão C.Smith, pedia dinheiro ao Freeport tendo como desculpa o pagamento de luvas e ficava com o mesmo, como se os executivos do Freeport fossem uns meninos de coro e nós uma bestas.
Não brinquem com a nossa inteligência.
Pscr: Sairão da crise os paises que não estejam falidos, com défices de 7 e 8% do PIB, aqueles que fizerem verdadeiro investimento, reprodutivo, criador de emprego, coisa que se faz através de PMEs e não com pins. Sairão da crise os paises que formarem bem cidadãos e isso faz-se dando autoridade aos professores e avaliando alunos com verdade.
Amigalhaço sousa, guarde a demagogia, tenha vergonha do seu papel de vendilhão, chegou a hora do balanço não das promessas. O pais real já não cabe debaixo do tapete. Vá-se embora.

isto está sem remédio

Já agora entreguem-nos logo nas consultas através das farmacias hospitalares, com o que poupam podem alargar a medida a todos os rendimentos percapita inferiores ao salário minimo. Já chateia de medidas eleitoralistas pingadas sobre a miséria social, em vêz de planos coerentes e mais abragentes sobre os problemas.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

PROFESSORES EM LUTA: Uma opinião

Chegados aqui, da minha parte o balanço é muito positivo. Sejamos honestos, perante a teimosia socratina, perante o pessimismo de muitos, nunca antes tinha existido tal união na classe. Nunca antes se tinha constituído uma plataforma sindical. Nunca antes emergiram movimentos espontâneos de professores, fortes por isso mesmo, com o condão de colocarem os sindicatos na ordem, obrigando-os ao verdadeiro sindicalismo ao arrepio da agenda politica oculta.
O governo mais autoritário e fascizante depois do 25 Abril, teve uma resposta à altura dos professores, mais do que uma profissão um sacerdócio, um exemplo de cidadania. Alertamos cedo o pais para a estratégia terrorista deste governo, catalizamos a oposição. Contribuímos para desmascarar essa gente que tanto mal tem feito ao pais (neste aspecto não me alongo, pois todos conhecem as ideias aqui do sitio).
Tenho concordado com Guinote e continuo a achar que a via judicial é o melhor caminho. Essa gente tem cara de pau, riem-se das greves, desprezam Abril, governam para elites e monopoleos.
O articulado de leis produzidas tem muitos rabos de palha e ai é que é malhar forte e feio, providencias e processos em tribunal. Não devemos prejudicar as famílias, chega de esforços para a contenção do défice. Devemos também organizar uma grande manifestação nacional, um sinal de força carregada de humanismo, cidadania. Deve conter intervenções de todos, associações, professores anónimos, interpoladas por uma poesia, uma canção de intervenção, ressuscitando assim o espírito de Abril, convocando os saudosistas, convidando a população que passa dificuldades. Podem-se associar outros, enfermeiros, recibos verdes, desempregados, isso não nos tirará visibilidade.
Devemos apoiar-nos na estrutura dos sindicatos para a logística, devemos contribuir com 5 euros para o transporte. Contribuir... que ninguém fique de fora, e os sindicatos que não esperem surfar a onda e espezinhar outros para no fim apanharem as canas. Ninguém é ingénuo, juntos teremos a força necessária para mudar este estatuto kafkiano e uma avaliação importada do 3º mundo que bloqueia a escola.
Quem está cansado? até às eleições, malhar ou morrer.

TGV: a grande mentira

O 1º ministro foi ontem ao canal do governo tentar um passe de magia. Apareceu declamatório, próprio de um palco de teatro, onde se vai cantar a cartilha marrada. Para o espectáculo visto, mais valia um padre e um confessionário. Apareceu acossado e agressivo, Judite por momentos sentiu-se incomodada e calou-se. O individuo a certa altura ficou sozinho a falar, não permitiu a condução da entrevista e os entrevistadores intimidados recuaram.
De resto ficou patente o servilismo da TV publica ao governo. Mas o fracasso deveu-se também à falta de capacidade técnica dos entrevistadores, creio que nenhum é de direito ou economia. Foi um espectáculo degradante, a pior entrevista que já vi a um politico. Comentários trocados com várias pessoas indicam-me o mesmo, vários entre nós mudaram de canal por falta de estômago para assistir a tal decadência.
Quanto aos temas debatidos, uma vergonha, os portugueses mereciam ser esclarecidos sobre educação, saúde, politica de justiça e recente vergonha de aumento das taxas, e eleições europeias. O sr 1º ministro prestou-se a um papel de desagravo mediático à Major Valentão. Esses assuntos resolvem-se nos tribunais, não na televisão.
Sobre o que disse, muito mal preparado, não conhece os dossiers, diz um bando de generalidades, já conhecemos de cor as cassetes. Não responde às questões, não argumenta com factos concretos_ por exemplo nunca toca no défice da balança nem no endividamento externo que nos estão a afundar com este governo. Como já escrevi aqui, no final deste ano teremos 10% desemprego e 6 ou 7% de défice, mas disso ele não fala. Não diz também que baixou o défice roubando a classe média e os reformados, passando a carga fiscal de 34% para 37%, não pagando a fornecedores e adiando o investimento. Como toda a gente sabe este governo não conseguiu fazer uma única reforma, não fez uma única obra, navegou quatro anos e baixou a qualidade da democracia.
Votemos em peso, ninguém fique em casa, mas não no bloco central.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Os reformados vão ajudar José Sócrates a resolver a crise

Como afirma a SIC: “Governo não perdoa multas a 120 mil contribuintes
O Fisco não vai perdoar a multa aos 120 mil contribuintes que não entregaram a declaração de rendimentos de 2007. Na maioria, são idosos com baixos rendimentos e vão ser multados em cem euros, no mínimo. Não entregaram, nem vão entregar, porque já não têm os comprovativos das despesas.
Não há dúvida que é uma óptima notícia para o défice e uma boa medida para resolver a crise. O Governo na sua grande sensatez e espírito de sacrifício vai multar os “ricaços” dos idosos e dos reformados que não entregaram a sua declaração de IRS de 2007. Como são 120 mil multados com uma penalização de pelo menos 100 euros, os cofres do Estado vão embolsar 12 milhões de euros.

MANEL VIDEIRA: o politico tuga

A escritura é pública!!!...

Freeport: secretário de Estado considera pedido feito pela Ordem dos Notários “muito grave”
1º Um governante deve ser escrutinado sobre a sua ética, sobrando poucos aspectos fora disto.
2º Como é possível que um governante venha dizer que uma escritura publica é privada?não conhece a lei?
3º Qualquer cidadão pode ir a uma conservatória saber tudo o que quiser. Creio até que pode pedir certidão predial online de qualquer imóvel.
4º Sabe sr secretáriozinho, o que é grave é termos um ditador castrado das suas funções pela merda que fez ao pais e cuja falta de ética impede que se demita, agravado por um MP capturado que não(porque não lhe interessa) faz cumprir a lei.
5º o que é grave é termos um país a caminho da depressão, à espera que as varas de pinóquios xuxalistas, sejam corridos do governo e parem de vampirar o estado.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Rumos da luta dos Professores

Nesta semana, dirigentes da Plataforma Sindical e dos Movimentos de Professores realização reuniões de consulta e debate com os professores sobre as propostas apresentadas pelo ME no âmbito do designado processo de revisão do ECD e que, de uma forma geral, se orientam para a consolidação de alguns dos aspectos mais negativos daquele estatuto. Avaliação, gestão e concursos, serão, também, temas centrais do debate a realizar. Por fim, pretende-se conhecer a disponibilidade e os compromissos de luta a serem assumidos para este terceiro período. Em cima da mesa estará a proposta de realização de uma grande acção de envolvimento dos professores e educadores na semana que termina a 16 de Maio.
"A luta depende muito daquilo que os professores estiverem dispostos a fazer e dos compromissos que assumirem face às acções a desenvolver."Esta foi a afirmação dos dirigentes da Plataforma Sindical quando foi marcada, para esta semana, uma consulta geral nas escolas.Infelizmente, esta consulta ameaça tornar-se numa "consulta", se não estivermos atentos e não soubermos introduzir na discussão TODOS os pontos de vista e propostas. TODOS mesmo!Está a ser apresentada, nas reuniões já ocorridas hoje, uma MOÇÃO, aprovada pela Plataforma Sindical (podem encontrá-la no site da FENPROF) que merece, da nossa parte, movimentos independentes de professores, nomeadamente a APEDE, o MUP e o PROmova, uma reacção de forte repúdio e firme denúncia. Após o Encontro de Professores em Leiria, tivemos o cuidado de reunir com alguns sindicatos da Plataforma para solicitar que esta consulta, aos professores, fosse totalmente aberta e não condicionada. Nos últimos dias, na blogoesfera, repetimos VINCADAMENTE esse apelo.Uma MOÇÃO redigida e apresentada nestes termos (chamamos a atenção particular para o 4º ponto, a contar do final, e para a ausência total de referência a formas de luta mais contundentes) não nos parece de todo correcta, dado que é inequivocamente redutora e parcial. Aponta um caminho, que deixa claramente subentendido, e exclui todos os outros. Não nos parece que promova e que seja o garante de um debate plural e enriquecedor em torno das diversas formas de luta passíveis de serem adoptadas.Aliás, o simples facto de as organizações sindicais levarem para as reuniões nas escolas uma moção previamente cozinhada, que condiciona todo o debate, fechando-o à partida, parece-nos profundamente negativo e revela que as más práticas do passado tendem a perpetuar-se sem que os seus actores retirem as devidas lições de erros mil vezes cometidos.Acima de tudo, colegas, quer concordem ou não com esta MOÇÃO, apresentada pela Plataforma Sindical, não deixem de intervir! Durante as reuniões, discutam tudo, proponham, escolham, ponderem, votem. É esse o grande apelo que fazem os movimentos independentes de professores! É fundamental que saibamos sair do "cerco" e que discutamos abertamente TODAS as hipóteses de luta, TODAS as opções, TODOS os caminhos, mesmo que só nos apresentem um!Vamos a isso "
Consultar sites de sidicatos e movimentos.

MAIS UMA APITADELA DO MAJOR VALENTÃO

O GRANDE APOIANTE E RECENTE AMIGO DO PINÓQUIO " presidente da Câmara de Gondomar, Valentim Loureiro, volta a tribunal, no próximo dia 15 de Maio, para responder, em sede de instrução, em mais um processo no âmbito do ‘Apito Dourado’. Cinco anos depois da operação que fez tremer o futebol profissional, Valentim, o filho Jorge, José Luís Oliveira e o advogado Laureano Gonçalves enfrentam a acusação de branqueamento de capitais e participação económica em negócio. Discute-se a compra, por um milhão de euros, da Quinta do Ambrósio, num negócio que seis dias depois permitiu aos arguidos um lucro avultado. A Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP), liderada na altura por Oliveira Marques (também acusado), pagou quatro milhões por um espaço que nunca chegou a utilizar." in CM

domingo, 19 de abril de 2009

FARPAS AO DOMINGO

Sócrates vai responder na Internet a perguntas dos portugueses. Parece que os portugueses lello, o malhadinhas, a estrela, o pedroso & companhia já andam a redigir cuidadosamente os seus emails. Onde já chega a palhaçada.

Jorge compaio apareceu nas velhas fronteiras xuxalista, o Pinóquio estava esfuziante por aparecer alguém com alguma credibilidade e disse de sua incontinência:_ que saudades já tínhamos suas Dr. Jorge compaio. Este depois respondeu aos jornalistas:_ Estou aqui como no passado estive em iniciativas com o Dr. Marques Mendes. Ehehehe:_ mama amor! Com cães destes não se vai à caça.

Maria João Avilez:“Foi impressão minha ou Vital Moreira ficou aflito pela escolha de Paulo Rangel para encabeçar a lista do PSD às eleições europeias” Som
Paulo Pedroso perdeu mais um recurso no tribunal da relação contra os alunos da casa pia que o haviam acusado por abusos sexuais. Pela segunda vez os tribunais provaram que os alunos não mentem, logo resulta daqui uma lógica altamente comprometedora para o politico candidato à Câmara de Almada. Pela lógica os portugueses também não percebem porque não foi constituído arguido no processo casa pia. Como se lê no Diabo: "será que os Almadênses irão ignorar duas sentenças que claramente põem em causa este curioso candidato a autarca."
As farmácias andam em guerra com os médicos. O sr cordeiro e companhia desde que fabricam genéricos, não querem outra, os médicos é que estão a ver a vidinha mal, uma vez que vão começar a pagar as férias.
Um estudo do infarmed diz que em 56% dos casos os médicos além de não receitarem genéricos, receitam dos medicamentos mais caros. A ordem dos médicos para lixar o cordeiro, veio com a palhaçada de um inquérito aos médicos, a ver se estariam na disposição de dar logo os medicamentos aos doentes na consulta, e o cordeiro a xuxar no dedo. Ana Jorge a velos passar em vez de apontar ao meio na virtude. A proposta para os cidadãos, com poupança para o estado seria, receita por principio activo, com 1 ou 2 medicamentos da preferência do médico, mas a decisão seria do doente mediante conselho do farmacêutico. Poderia manter-se também a opção para quem quisesse das farmácias hospitalares. Se não passar por aqui, os interesses dos cidadãos e do estado serão alienados ao compadrio.

Sócrates sublinha que PS não quis um "aparelhista" como candidato às europeias._ O que será um aparelhista? Será aquele que aparelha bestas? in porquemedizem

No ME a farra é pegada. A dona lurdes e os lacaios conseguiram pôr as escolas em polvorose. Da Régua a Sto.Onofre vai tudo para tribunal por causa das destituições de executivos eleitos por sofrágio. O parecer de GP disse que a acção é ilegal. Depois do estatuto e da avaliação mais uma pérola. Como diz o outro, agora até à eleições, quanto pior melhor.

sábado, 18 de abril de 2009

O CZAR DO RATO: por Henrique Raposo

A nossa cultura política tem coração eslavo. A jugular lisboeta traz sangue ideológico directamente das estepes russas. Os nossos líderes, meu caro leitor, são parecidíssimos com o czar Putin. Tal como Moscovo, Lisboa desconhece a grande invenção do pensamento ocidental. Que invenção é essa? A distinção entre 'Poder' e 'Verdade'. Para existir liberdade, o Poder e a Verdade têm de ser duas variáveis distintas. A liberdade depende da existência de um largo abismo entre o Poder - a imanência histórica - e a Verdade - a transcendência ética que não é propriedade de ninguém; ou seja, no país Y, durante a época X, o político Z não pode controlar os caminhos da Verdade. Portugal, à semelhança da Rússia, sempre recusou esta revolução intelectual. Em Lisboa, o Poder sempre foi sinónimo de Verdade. E o 25 de Abril não mudou nada, não retirou o país desta cultura eslavófila.
José Sócrates é a mais recente manifestação deste velho czarismo alfacinha. Ao longo do reinado do czar do Rato, encontramos um padrão de atitudes contrárias à liberdade de expressão: este Governo inventou a ERC, os 'socratetes' não toleram o telejornal de Moura Guedes, Sócrates vai processar jornalistas, etc. Parece evidente que o nosso mui ilustre czar não sabe lidar com a crítica. Sócrates não consegue conceber a existência de uma opinião que ponha em causa a sua verdade.
Este reduzido à-vontade de Sócrates perante a crítica não resulta do seu lendário mau feitio. Isso é um mito. Esta incapacidade para encaixar a dissidência nasce, isso sim, da natureza do actual PS. 'Este' PS afirma, vezes sem conta, que Portugal só é governável com o PS no poder.
Podemos até dizer que os nossos socialistas fazem fogueiras em redor deste lume apocalíptico: PS ou barbárie! 'Este' PS vê-se como o partido predestinado a governar, pois autopercepciona-se como o ponto de equilíbrio entre a ilegitimidade do esquerdismo (PCP e BE) e a ilegitimidade do reaccionarismo (CDS e PSD). Aos olhos dos 'socratetes', apenas o PS é legítimo. Imerso nesta narrativa de auto-indulgência, o PS socrático não tem estômago para críticas. "Como é que as pessoas se atrevem a duvidar da bondade intrínseca do PS?", eis a pergunta que os 'socratetes' fazem no seu íntimo.
Esta arrogância socialista é um reflexo da velha tradição portuguesa que transforma a Verdade numa marquise do Poder. O PS não se concebe como um partido igual aos outros. O PS acha que é a Verdade do regime. O PS julga que é o senhorio da III República (os outros partidos são apenas inquilinos). Como é óbvio, os socialistas que vivem neste caldo têm dificuldades em aceitar críticas. E acabam por pensar que os tribunais são apêndices czaristas que servem para impor a Verdade do Poder a quem recusa associar a Verdade ao Poder. O czar do Rato por Henrique Raposo no E

sexta-feira, 17 de abril de 2009

E O OSCAR VAI PARA...

O advogadeiro do menino de ouro, o conhecido safa politicos provença do carvalho, a mando do seu constituinte já ameaçou que vai processar Portugal, esse bando de cabalistas, ingratos, essa gente suada, pobre, ignorante, horriveis...
_“faltou vontade política e económica para questionar o caminho que estava a ser seguido e que há muito suscitava reservas”
_“esta não é altura para intervencionismos populistas” ou “voluntarismos sem sentido”. “Os recursos do país são escassos e é muito o que há ainda por fazer. É preciso garantir o máximo de transparência na utilização dos dinheiros públicos. Desde logo, por uma questão de respeito para com os contribuintesO comentário de JMM
Ficámos também hoje o saber, nesta sexta feira negra, que o parlamento gastou 1 000 000 euros em BMW novos, séries 5 e 7. Deve ser uma ajuda à economia. Video AQUI
Por fim uma nota positiva à TVi que todas as sextas nos surpreende com o malho, sendo um balão de oxigénio e esperança por estes dias... quebrando o situacionismos das outras TVs, muito convenientemente apegadas a pseudo-éticas.
Pcr.- Agradecia que o filho da puta que me tenta entrar no PC, pare com a brincadeira, antes que chame chame a brigada hacker pró-blogger. Perdoai o vernáculo, mas todas as formas linguisticas são legitimas culturalmente.

É NACIONALISTA .

A LÓGICA SOARISTA:
- Socrates apoiou Barroso dizendo-se patriota
- "Isso não é patriotismo, mas antes nacionalismo no pior sentido da palavra"
- "Nacionalista era o salazar"
- "Nacionalistas eram os fascistas"
- "O patriotismo tem é a ver com o interesse e o amor pelo nosso povo, pelas nossas instituições"

Não tenho nada a acrescentar à douta intervenção. A verdade é como o azeite...

quinta-feira, 16 de abril de 2009

PROMESSAS EM FINAL DE LEGISLATURA?????

O governo está desesperado. O lixo teima em sair debaixo do tapete e já fede, fede muito…
Aproxima-se a hora da verdade e para quem foi capaz de tudo nestes 3 anos, não hesitará por todos os meios em comprar os votos que precisa para continuar a ditar, a enxovalhar-nos lá fora, a adiar o desenvolvimento do país, e a engordar as elites à custa do suor, sangue e lágrimas de todos nós.

De repente até o odiável Louçã e o seu BE, vêem o PS a aprovar-lhes uma proposta de lei contra a corrupção e sigilo bancário, quando no passado ignoraram a de Cravinho, politicamente mais fácil de digerir_surpreendidos? O tempo urge, é preciso correr, custe o que custar… ( este PS tenta assim capitalizar à esquerda, obviamente só porque encurralado)
O chefe da quadrilha andou a apregoar aos sete ventos que tinha equilibrado as contas da SSocial. Depois vieram os estudos da OCDE (dos quais desta vez não propagou) a dizer que num futuro próximo teremos as piores reformas da Europa, corroborado por vários parceiros sociais. Veio agora a correr o vieirinha dar o recado do Ali Baba, dizendo que sim senhor, não nos zanguemos, que se vai alterar tudo, que ninguém se apoquente_ Ohhhhh!!!!!
Depois de três anos de guerra no ME, de repente diz o pedreira que não haverá quotas para os titulares. _Perderam a convicção de três anos em três minutos? _Não! é mais uma jogada ilusionista, de propaganda, ainda atiçando o povo aos docentes e desestabilizado a escola. Pelo que consta, se acabarem com o limite de vagas a titular, farão um exame daqueles com 99,999% de chumbos, estão a ver, é precisamente o contrário do que fazem com os exames do secundário. Prometem mais um escalão em final de carreira: outra falácia, depois da reestruturação tiveram de o criar, para equiparação aos técnicos superiores da função publica(já era assim). Quanto à mais rápida transição entre escalões, tudo mentiras para o Zé ruminar de orelha baixa. Os escalões aumentaram o tempo, colocaram armadilhas como pedirem formação sem a disponibilizarem; mas o verdadeiro roubo é na transição: por exemplo chega-se ao terceiro escalão com 10 anos, mas nesta reestruturação muitos lá chegarão com 14 e 15 anos. Em casos que conheço bem de docentes na carreira, há 7 anos que estão sem qualquer progressão e com congelamentos sucessivos, quando no sector privado nos primeiros anos desta década houve aumentos acima da inflação. Quando o ME vem dizer que os docentes têm vantagem em relação à restante função publica, isso é terrorismo politico, uma afronta a todos nós portugueses, uma falta de respeito e de honestidade intelectual, um desdém por quem se sacrifica em termos familiares e monetários, frequentemente com a casa às costas suportando todos os custos em troca de uma m...a de um ordenado e enxovalho do ME.

Com papas e bolos se enganam os tolos. O governo que governe para os portugueses, não para si próprio.
O final do mandato é tempo de balanços da obra feita, não de
foguetada, não de ilusões e promessas do devir
.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Proposta para ajudar o Vitor Constâncio

Proponho que o Vitor Contâncio acompanhe o Avô Cantigas para o Parlamento Europeu.
Coitado! Com a crise precisa de um segundo emprego!

terça-feira, 14 de abril de 2009

O HINO DA REVOLTA


Xutos escrevem hino da revolta contra o regime xuxalista que dá por nome sem eira nem beira, onde abordam a corrupção, o xupismo das elites no aparelho de estado e o abandono do povo. O refrão é dirigido ao engenheiro do sistema.

Pode-se dizer que a luta já tem hino e poderá catalisar o meio artístico para uma oposição e ataque ao statosquo. Já vimos estes movimentos noutras épocas, por sinal fortemente patrocinados por anarquistas. Pode ser que a dona lurdes vista de novo a farda do flower power!

Os xutos vão estar para o engenheiro como o abrunhosa esteve para o cavaco(quem se recorda do concerto da caparica: o que é que o cavaco e a maria vão fazer? talvez f... - fez história) Já cheira a fim de festa.

Aqui está a letra. Abra o vídeo e cante... cante...

Anda tudo do avesso
Nesta rua que atravesso
Dão milhões a quem os tem
Aos outros um passou - bem

Não consigo perceber
Quem é que nos quer tramar
Enganar
Despedir
E ainda se ficam a rir

Eu quero acreditar
Que esta merda vai mudar
E espero vir a ter
Uma vida bem melhor

Mas se eu nada fizer
Isto nunca vai mudar
Conseguir
Encontrar
Mais força para lutar...

(Refrão)
Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a comer

É difícil ser honesto
É difícil de engolir
Quem não tem nada vai preso
Quem tem muito fica a rir

Ainda espero ver alguém
Assumir que já andou
A roubar
A enganar
o povo que acreditou

Conseguir encontrar mais força para lutar
Mais força para lutar
Conseguir encontrar mais força para lutar
Mais força para lutar...

(Refrão)
Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a foder

Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Mas eu sou um homem honesto
Só errei na profissão

A gataria fica tola com o cheiro do tacho

Manuela Ferreira Leite já decidiu nome do PSD para Europa mas mantém tabu

No PartidoSacoDegatos a gataria anda toda com a burtueja no dito cujo. É a tal estória do tachinho, da facção, quem vai à frente de quem, o que há de mais odioso na partidarite.
Fica mal a certos barões e rapazes de tacão alto (marcelos&rios) andarem em jantaradas pro diz que disse e a mandar recados, sobre quem há-de ser o maestro pra Bruxelas.
Não há respeito pela old lady, não se lhe respeitam as vontades e os timings_sois um bando de guerrilheiros.
O ganda noya do body-board, ex-fiel escudeiro de cavaco, já cheira a mofo, é mais do mesmo, Rangel seria boa aposta mas faz falta no parlamento, é a nova imagem do PSD, sobrio, culto, combativo. Pelo que uma boa aposta seria alguém de fora, desinfectado do parlamento, com opiniões feitas e escritas sobre a coisa. Em tudo diferente do comunista em bicos de pés, cinzento, sectário e atrofiado, que os xuxalistas escolheram desesperados com o tombo à esquerda.

A Lebre

"Marinho Pinto acusa Magistrados do MP de criarem "alarmismo" com queixas de pressões no caso Freeport"
É hilariante ver como certos personagens ziguezagueiam, como uma lebre à frente do chumbo. Sobre a qualidade do chumbo que a faz mexer em breve saberemos.

recentes:
ME: próximo da implosão final

segunda-feira, 13 de abril de 2009

ME: próximo da implosão final

A DÚVIDA DE UM GRUPO DE PROFESSORES?
“É legalmente sustentável o entendimento – que o Ministério e as Direcções Regionais vêm defendendo e até impondo – de que os mandatos ora em curso dos actuais membros dos Conselhos Executivos, ou Directores e respectivos Vice-Presidentes ficam, por força do mesmo Decreto Lei nº 75/2008, de imediato interrompidos para dar desde já lugar à designação do referido “Director” ?”

-O advogado Garcia Pereira numa adenda a um parecer que elaborou sobre o novo regime de gestão das escolas do básico e secundário hoje divulgada, vai adiantando que as interrupções dos mandatos de Conselhos Executivos, ordenadas pelo Ministério da Educação, são inconstitucionais, ilegais e perigosas. O advogado sustenta mesmo que este último cavalo de batalha do ME é “susceptível de produzir consequências tão avassaladoras quanto imprevisíveis” nas escolas. "Entre outras acções de impugnação e indemnização por parte dos titulares dos actuais órgãos e lectivos irregularmente impedidos de continuarem a exercer os seus mandatos”.
O senhor contribuinte fique a saber que vai pagar a gestão das escolas duas vezes. Os actuais CE retirados à força como em Sto.Onofre vão ter que continuar a ser remunerados enquanto durar o mandato, o que a sra ministra já disse que faria com o nosso dinheiro para não levantar ondas, e ao mesmo tempo vai pagar à nova gestão pela nova tabela (+- 600 euros cada um, tabela que criaram para bois xuxalistas). Óbvio, que tudo dentro da ilegalidade, e indo para tribunal por iniciativa de algum amigo, e estes são aos milhares, vai emperrar tudo, e há ainda que contar com os custos judiciais que pagará também o senhor contribuinte. Tudo graças à competência da sinistra ministra.
Os politiquinhos têm de se convencer que a docência não é operariado e a escola não é fábrica, logo todas estas acções em nada motivarão a classe no caminho da qualidade. A senhora ministra por incompetência ou ignorância finge que governa e a escola desgoverna. Depois de analisado este período negro nos anais da educação, será conhecido no futuro como a Idade Média da Educação em Portugal

domingo, 12 de abril de 2009

MENSAGEM DE BENTO XVI

"Amados irmãos e irmãs de Roma e do mundo inteiro. A todos vós formulo cordiais votos de Páscoa com as palavras de Santo Agostinho: "Resurrectio Domini, spes nostra - a ressurreição do Senhor é a nossa esperança". Com esta afirmação, o grande Bispo explicava aos seus fiéis que Jesus ressuscitou para que nós, apesar de destinados à morte, não desesperássemos, pensando que a vida acaba totalmente com a morte; Cristo ressuscitou para nos dar a esperança."
"Com efeito, uma das questões que mais angustia a existência do homem é precisamente esta: o que há depois da morte? A este enigma, a solenidade de hoje permite-nos responder que a morte não tem a última palavra, porque no fim quem triunfa é a Vida. E esta nossa certeza não se funda sobre simples raciocínios humanos, mas sobre um dado histórico de fé: Jesus Cristo, crucificado e sepultado, ressuscitou com o seu corpo glorioso. Jesus ressuscitou para que também nós, acreditando n'Ele, possamos ter a vida eterna. Este anúncio situa-se no coração da mensagem evangélica. Declara-o com vigor São Paulo: "Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação e vã a nossa fé". E acrescenta: "Se tão somente nesta vida esperamos em Cristo, somos os mais miseráveis de todos os homens". Desde a alvorada de Páscoa, uma nova primavera de esperança invade o mundo; desde aquele dia, a nossa ressurreição já começou, porque a Páscoa não indica simplesmente um momento da história, mas o início duma nova condição: Jesus ressuscitou, não para que a sua memória permaneça viva no coração dos seus discípulos, mas para que Ele mesmo viva em nós, e, n'Ele, possamos já saborear a alegria da vida eterna."
"Portanto a ressurreição não é uma teoria, mas uma realidade histórica revelada pelo Homem Jesus Cristo por meio da sua "páscoa", da sua "passagem", que abriu um "caminho novo" entre a terra e o Céu. Não é um mito nem um sonho, não é uma visão nem uma utopia, não é uma fábula, mas um acontecimento único e sem repetição: Jesus de Nazaré, filho de Maria, que ao pôr do sol de Sexta-feira foi descido da cruz e sepultado, deixou vitorioso o túmulo. De facto, ao alvorecer do primeiro dia depois do Sábado, Pedro e João encontraram o túmulo vazio. Madalena e as outras mulheres encontraram Jesus ressuscitado; reconheceram-No também os dois discípulos de Emaús ao partir o pão; o Ressuscitado apareceu aos Apóstolos à noite no Cenáculo e depois a muitos outros discípulos na Galileia."
"O anúncio da ressurreição do Senhor ilumina as zonas escuras do mundo em que vivemos. Refiro-me de modo particular ao materialismo e ao niilismo, àquela visão do mundo que não sabe transcender o que é experimentalmente constatável e refugia-se desconsolada num sentimento de que o nada seria a meta definitiva da existência humana. É um facto que, se Cristo não tivesse ressuscitado, o "vazio" teria levado a melhor. Se abstraímos de Cristo e da sua ressurreição, não há escapatória para o homem, e toda a sua esperança permanece uma ilusão. Mas, precisamente hoje, prorrompe com vigor o anúncio da ressurreição do Senhor, que dá resposta à pergunta frequente dos cépticos, referida nomeadamente pelo livro do Coeleth: "Há porventura qualquer coisa da qual se possa dizer: / Eis, aqui está uma coisa nova?". Sim - respondemos -, na manhã de Páscoa, tudo se renovou. "Mors et vita / duello conflixere mirando: dux vitae mortuus / regnat vivus - Morte e vida defrontaram-se / num prodigioso combate: / O Senhor da vida estava morto; / mas agora, vivo, triunfa". Esta é a novidade! Uma novidade que muda a vida de quem a acolhe, como sucedeu com os santos. Assim aconteceu, por exemplo, com São Paulo."
"No contexto do Ano Paulino, várias vezes tivemos ocasião de meditar sobre a experiência do grande Apóstolo. Saulo de Tarso, o renhido perseguidor dos cristãos, a caminho de Damasco encontrou Cristo ressuscitado e foi por Ele "conquistado". O resto já sabemos. Aconteceu em Paulo aquilo que ele há-de escrever mais tarde aos cristãos de Corinto: "Se alguém está em Cristo, é uma nova criatura. O que era antigo passou: tudo foi renovado!". Olhemos para este grande evangelizador que, com o audaz entusiasmo da sua ação apostólica, levou o Evangelho a muitos povos do mundo de então. Que a sua doutrina e o seu exemplo nos estimulem a procurar o Senhor Jesus; nos animem a confiar n'Ele, porque o sentido do nada, que tende a intoxicar a humanidade, já foi vencido pela luz e a esperança que dimanam da ressurreição. Já são verdadeiras e reais as palavras do Salmo: "Nem as trevas, para Vós, têm obscuridade / e a noite brilha como o dia". Já não é o nada que envolve tudo, mas a presença amorosa de Deus. Até o próprio reino da morte foi libertado, porque também aos "infernos" chegou o Verbo da vida, impelido pelo sopro do Espírito."
"Se é verdade que a morte já não tem poder sobre o homem e sobre o mundo, todavia restam ainda muitos, demasiados sinais do seu antigo domínio. Se, por meio da Páscoa, Cristo já extirpou a raiz do mal, todavia precisa de homens e mulheres que, em todo o tempo e lugar, O ajudem a consolidar a sua vitória com as mesmas armas d'Ele: as armas da justiça e da verdade, da misericórdia, do perdão e do amor. Tal foi a mensagem que, por ocasião da recente viagem apostólica aos Camarões e a Angola, quis levar a todo o Continente Africano, que me acolheu com grande entusiasmo e disponibilidade de escuta. De fato, a África sofre desmedidamente com os cruéis e infindáveis conflitos - frequentemente esquecidos - que dilaceram e ensanguentam várias das suas Nações e com o número crescente dos seus filhos e filhas que acabam vítimas da fome, da pobreza, da doença. A mesma mensagem repetirei com vigor na Terra Santa, onde terei a alegria de estar daqui a algumas semanas. A reconciliação difícil mas indispensável, que é premissa para um futuro de segurança comum e de pacífica convivência, não poderá tornar-se realidade senão graças aos esforços incessantes, perseverantes e sinceros em prol da composição do conflito israelita-palestino. Da Terra Santa, o olhar estende-se depois para os países limítrofes, o Oriente Médio, o mundo inteiro. Num tempo de global escassez de alimento, de desordem financeira, de antigas e novas pobrezas, de preocupantes alterações climáticas, de violências e miséria que constringem muitos a deixar a própria terra à procura duma sobrevivência menos incerta, de terrorismo sempre ameaçador, de temores crescentes perante a incerteza do amanhã, é urgente descobrir perspectivas capazes de devolverem a esperança. Ninguém deserte nesta pacífica batalha iniciada com a Páscoa de Cristo, o Qual - repito-o - procura homens e mulheres que O ajudem a consolidar a sua vitória com as suas próprias armas, ou seja, as armas da justiça e da verdade, da misericórdia, do perdão e do amor."
"Resurrectio Domini, spes nostra - a ressurreição de Cristo é a nossa esperança! É isto que a Igreja proclama hoje com alegria: anuncia a esperança, que Deus tornou inabalável e invencível ao ressuscitar Jesus Cristo dos mortos; comunica a esperança, que ela traz no coração e quer partilhar com todos, em todo o lugar, especialmente onde os cristãos sofrem perseguição por causa da sua fé e do seu compromisso em favor da justiça e da paz; invoca a esperança capaz de suscitar a coragem do bem, mesmo e sobretudo quando custa. Hoje a Igreja canta "o dia que o Senhor fez" e convida à alegria. Hoje a Igreja suplica, invoca Maria, Estrela da Esperança, para que guie a humanidade para o porto seguro da salvação que é o coração de Cristo, a Vítima pascal, o Cordeiro que "redimiu o mundo", o Inocente que "nos reconciliou a nós, pecadores, com o Pai". A Ele, Rei vitorioso, a Ele crucificado e ressuscitado, gritamos com alegria o nosso Aleluia!"

MAIS PRÓXIMOS DA TAILÂNDIA

Escrevi este post em Dezembro passado pelo clima vivido em Portugal, de contestação, mas até pacato demais considerando o que se passou e passa no país. Aliás tendo em conta a corrupção que assola o pais, acho que os Portugueses ainda não saíram da contemplação anestesiados por uma ditadura de 50 anos.
Novas noticias da Tailândia fizeram-me republicar este post, com algumas semelhanças com o nosso pais, com excepção óbvia na nossa passividade perante o que se passa. Mas atenção, como alguém á disse estamos sentados num barril de pólvora, e, ou o governo muda a agulheta (que não é dar subsídios como água na fervura) ou ele estoura.
Mas aqui vai o dito:
" Tailândia houve uma fraude eleitoral em Dezembro passado. O povo sentiu-se traído e colocou um PREC na rua, semanas de protesto, paralisação das instituições e da economia. O Poder Judicial, farto, depois de contar as espingardas e de verificar que o pêndulo não lhe caia em cima, lá se lembrou de justificar o ordenadinho e vai dai, despediu o governo com justa causa.
Claro está, pensei logo aqui no nosso jardinzinho. Então por cá não houve também uma "fraude" eleitoral? É que me tem parecido que não foi neste programa que votei!!... aumento de impostos, aumento taxas moderadoras, aumento de desemprego, queda do PIB, portagens nas SCUTS sem alternativas, desvalorização da Escola Pública, vexame público às classes profissionais, monopólios estatais(já denunciados pela EU), aumento da pobreza conforme estudo de Bruto da Costa, má repartição da riqueza (disparou a pobreza nos V. Cávado e Ave, mas o dinheiro escorre para a AML), o dinheiro dos contribuintes vai para a barriga dos bancos, PINS e mega projectos dominados pelos monopólios económicos, a justiça não funciona e paralisa a economia e a sociedade, etc, a lista é muito longa...
O governo rasgou o programa eleitoral que jurou cumprir, quando foi às urnas. E o Sr. Professor Silva para que serve, e o parlamento não fiscaliza o governo? Anda a dormir com tanta abébia. Este governo farto de fazer asneiras. Por menos, o Dr. Santana foi posto a mexer. Quero ver se o Sr. P. Silva, considerado da linha dura, tem a coragem do Dr. Sampaio.
Ora bem, pensou o Zé: os Professores e os alunos estão na rua, os funcionários públicos andam a espumar de greve em greve, os militares ameaçam vir para a rua (o General Loureiro já disse que pode haver uma reacção), as policias estão a ferver(aumentaram os suicidios), médicos e enfermeiros estão descontentes, as PMEs fecham portas quando a solução do governo é aumentar-lhes as dividas com créditos em vez de as modernizar e internacionalizar, os agricultores adoram Jaime Silva e os pescadores morrem afogados, o operariado da construção civil e fábricas de exportação ganham o salário mínimo, estão a definhar, migram os que podem ( a migração actual está a atingir os níveis da déc de 60). Bem, está aqui seguramente 95% da população e ninguém está contente, a maioria já foi ou está na rua.
Porreiro pá, estamos outra vez no PREC? Acho que sim, afinal os portugas estão vivos, acordaram da letargia 33 anos depois, fartos de três décadas de ilusionismo. É pá, então? Então como explicar aqueles resultados das songagens? Bem! Isto hoje em dia com a ciência tudo é possível, cursos sem sair de casa, sondagens por encomenda_ a gente paga pelo serviço, por isso o serviço tem de ser do nosso agrado! Somos um país com bons serviços, vejam-se as melhorias dos resultados educativos em Portugal, são como o BCP, tudo case studis na Europa, fd… pá “ganda país”"

SOCRATES O COPISTA: por Vasco Graça Moura

Vasco Graça Moura escreveu esta crónica no DN, onde põe a nú a chico-espertice do nosso 1º, nada de novo, mas que merece leitura, mais não seja pela boa prosa de tom azimo a condizer com a quadra.
"Em fins de Outubro do ano passado, escrevi nesta coluna que ficava mal a Sócrates dizer "que o PSD pretendia tornar obrigatório o investimento em bolsa de um terço dos descontos para a Segurança Social. O que Marques Mendes propôs foi uma reforma em que essa possibilidade seria deixada à opção do beneficiário".
Dois anos antes, em Julho de 2006, eu tinha tido ocasião de observar, também nesta coluna, que Marques Mendes apontava para "um modelo misto que, como afirmou, está já a ser adoptado noutros países (Holanda, Suíça, Dinamarca, Polónia, Reino Unido) e prevê duas componentes para a pensão de reforma: uma delas, fixa, suportada através do sistema tradicional de repartição dos descontos arrecadados pela segurança social, e a outra, variável consoante os descontos dos pensionistas e a rentabilidade das suas contas individuais de capitalização, paga através dos fundos de pensões que delas façam a gestão (fundos esses geridos pelo Estado, por uma instituição pública, ou mesmo por fundos privados especialmente seleccionados e fiscalizados)".
Quem estiver interessado em mais pormenores pode consultar o livro que Marques Mendes publicou no ano passado, Mudar de vida, a pp. 239 e segs. Mas uma coisa é certa: nada disto corresponde à privatização da segurança social…
Todavia, agora, Sócrates verberou nas Jornadas Parlamentares do PS "a proposta do PSD de privatizar parcialmente a segurança social, colocando-se de forma obrigatória as contribuições dos portugueses na Bolsa de Valores de Lisboa".
Isto significa que Sócrates não leu, nem a proposta que Marques Mendes apresentou há três anos, nem o que sobre isso ele escreveu no ano passado. Ou que, se leu, não a percebeu de todo, num acesso singular de analfabetismo político.
Significa também - e aqui já entra a costumada má-fé - que a distorceu intencional e grosseiramente, uma vez que nunca, jamais, em tempo algum, houve no PSD quem falasse em privatizar a segurança social ou em afrouxar o papel do Estado na matéria, e muito menos em colocar "de forma obrigatória, as contribuições dos portugueses na Bolsa de Valores de Lisboa".
Isto é da lavra específica e especiosa do próprio Sócrates. A mesma personagem que vê relatórios da OCDE sobre educação onde eles não existem vê agora propostas do PSD onde elas nunca foram feitas!
Isto significa ainda que Sócrates não considera que a situação financeira e económica, dentro e fora do país, se tenha alterado radicalmente nos últimos doze meses, implicando a revisão e mesmo a suspensão de muita coisa. É típico. Sócrates começa sempre por negar a realidade. A sua obstinação delirante quanto ao TGV mostra de resto que, com ele, é mesmo assim... E pelos vistos não vai invocar a crise como desculpa de mau pagador quanto a todas as promessas que não cumpriu…
Ora, como eu também escrevia em Outubro passado, já então Sócrates escamoteava, na sua infeliz entrevista ao DN e à TSF, o teor e o sentido da proposta de Marques Mendes (que, aliás, não era líder do PSD havia mais de um ano…), embora passasse logo, porque já lhe convinha, "a referir os 21% investidos em acções do fundo de estabilização financeira da Segurança Social, 'que ganhou muito dinheiro no passado' e permitiu alargar a sustentabilidade do sistema, omitindo que a iniciativa da criação desse fundo foi do PSD e não enunciando nenhuma medida (por exemplo, concentração na aplicação em títulos de dívida pública, como acontece em Espanha) para contrariar a actual volatilidade de aplicações que continuam a ser feitas nos mercados accionistas e a perder dinheiro neles com a sua concordância…"
Afinal quem é que anda a brincar com os dinheiros da Segurança Social?
Enfim, Manuela Ferreira Leite negou veementemente qualquer intenção do PSD de privatizar a Segurança Social. Mas isto não basta a Sócrates. Quer o programa do PSD, já! Mesmo antes de o PS ter ultimado o seu… Porquê? É muito simples: sempre teria algumas propostas e soluções a copiar descarada e toscamente, na linha do que já tentou fazer em várias situações ao longo destes quatro anos. "

sexta-feira, 10 de abril de 2009

O BRUXO SANTANA

Diz o SOL que o círculo próximo do 1.ºministro ponderou a hipótese de o Governo se demitir e precipitar a realização das eleições legislativas, evitando o desgaste que o provável arrastamento de casos judiciais possa provocar até Setembro.
O primeiro a lançar esta ideia foi Santana Lopes, talvez por ser uma alma gémea de Sócrates num estilo mais colorido. Nessa altura o PS só não lhe chamou paizinho. Talvez:
- a careca descoberta muito cedo
-o apostar na incapacidade da old lady do PartidoSacoDegatos
- e uma campanha orquestrada para desacreditação do MP(com ajuda da inabilidade destes)
lhe dê confiança para gramar a pastilha até Setembro.
O clima e prática de impunidade entre as elites nos últimos 30 anos dão-lhes muita confiança e à vontade pra mandar o peito às balas, apostando ao mesmo tempo na ignorância do povo e fraca memoria politica. Aparece aqui no entanto a crise a complicar as contas.
Tornou-se também difícil fazer a vitimização, uma vez que a crise já tinha feito muitas vitimas a sério no pais real e por parte de outros partidos, ninguém atirou pedras, uns por estratégia politica outros por telhados de vidro.
A jagunçada do rato bem tentou comprar umas brigas, ao estilo de pinto da costa, arranjando um alvo e selando o balneário... parra que já deu uvas!
Gramai a pastilha, que o pais também tem de vos gramar até Setembro. Depois se verá. Até lá, espero que Cavaco ainda se lembre da boa moeda e segure Pinto Monteiro com mãos de Ferro.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

UM DESODORIZANTE SOCIAL P´RÓ FEDOR DE QUATRO ANOS

"Socialistas assinam texto crítico sobre situação do país"
Quem governou o país nesta legislatura?
Quantos anos governou o PS asseguir ao 25 abril?
Com um pouco de descaramento talvez o Salazar ainda seja chamado a estas contas...
Os portugueses ficam profundamente indignados com o show off destes senhores. Espero que os outros partidos não caiam na armadilha de participar num teatro destinado a reabilitar o capataz da adega free-port.

Leituras antes de dormir:

MARIO CRESPO: Factos e conselhos (sobre Free-Port, a pinga do momento)

OUTROS cá do burgo:

O CAÇA JORNALISTAS:não é trail é um desporto angolano

RESPONSABILIZAR OS PAIS PELA EDUCAÇÃO DOS FILHOS: ao que isto chegou

Com papas e bolos se apanham tolos
DA FINLÂNDIA À VENEZUELA
FREE - PORT: o porto que é uma bomba
O MENINO DE OURO ASSIM NÃO VAI LÁ!
EUROJUSTO
HÁ UMA BOMBA LATENTE
SOLIDARIEDADE COM SANTO ONOFRE
CRAVINHO: Democracia Portuguesa está DOENTE
Quanto mais se mexe na m...a mais ela cheira
ESCÂNDALO: Administrador da Braga parques Presidente de Empresa Pública

O CAÇA JORNALISTAS:não é trail é um desporto angolano

João Miguel Tavares escreveu num artigo do DN o seguinte: «Ver José Sócrates apelar à moral na política é tão convincente quanto a defesa da monogamia por parte de Cicciolina».
Esclarece JMT: Como é do conhecimento público, José Sócrates decidiu processar-me por difamação, devido a um artigo de 3 de Março em cuja primeira frase o seu nome coabitava com o de Cicciolina. Por muito tentadora que possa parecer a ideia de ir a tribunal discutir tangentes entre o primeiro-ministro e a ex-deputada italiana, há que fazer justiça ao engenheiro Sócrates e ao escritório de advogados do dr. Proença de Carvalho e esclarecer que fui processado por muitas frases desse artigo, mas nenhuma delas inclui antigas estrelas de cinema pornográfico. Lamento pôr em causa tanta criatividade textual e visual que saiu em meu auxílio na blogosfera, mas opiniões são opiniões - e factos são factos.
Quem já não sabe o que fazer ao dinheiro, dedica-se a perder processos em tribunal.

RESPONSABILIZAR OS PAIS PELA EDUCAÇÃO DOS FILHOS: ao que isto chegou

Cerca de quinze mil assinaturas a pedir alterações legislativas que responsabilizem os pais pela vida escolar dos filhos são hoje entregues na Assembleia da República por Luís Braga, o autor da petição: Pela responsabilização efectiva das famílias nos casos de absentismo, abandono e indisciplina escolar.
Em duas semanas, o presidente do Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Darque, em Viana do Castelo, obteve um apoio «que superou todas as expectativas».
«Para além da questão numérica, a visibilidade e a adesão pública obtida pelas ideias veiculadas na petição justifica que o Parlamento possa considerar as propostas apresentadas e debatê-las, abrindo caminho à mudança legislativa solicitada», explica a carta que acompanha a petição.
Para além do Presidente da Assembleia da República, também o presidente da Comissão de Educação e todos os grupos parlamentares vão receber o documento com o pedido para que seja debatido em plenário.
«A legislação tem de criar mecanismos administrativos e judiciais, desburocratizados, efectivos e atempados de responsabilização dos pais e encarregados de educação em casos de indisciplina escolar, absentismo e abandono, modificando a lei que consagra o Estatuto do aluno e outras leis conexas», escreveu Luís Braga na petição.
Na prática, o que a pedição defende é que os encarregados de educação sejam responsabilizados pela «educação ou não educação dos alunos», devolvendo aos pais a responsabilidade pela escolarização dos filhos.
Solicitando alterações legais, o texto da petição defende que os «mecanismos criados devem traduzir-se em medidas sancionatórias às famílias negligentes, como multas, retirada de prestações sociais e, no limite, efeitos sobre o exercício das responsabilidades parentais, como é próprio de uma situação que afecta direitos fundamentais de pessoas dependentes».
«Actualmente, a única coisa que um professor pode fazer se um aluno faltar sucessivamente, é fazer um teste de recuperação para avaliar as dificuldades da criança e isto não é nada», finalizou Luís Braga. Adaptado Daqui
Sou pai de crianças em idade escolar e conheço bem a escola, e os pais dos alunos. Infelizmente muitos pais da minha geração são uma desgraça. O ritmo de vida actual não pode explicar tudo. Os pais têm de se dar ao respeito perante os filhos e limitar-lhes a abundância material, que os torna mimados, obesos e estúpidos.
Há a tendência de projectar nos filhos tudo aquilo que não se é ou não se teve criando-se o bom selvagem. Tudo se agrava perante politicas eleitoralistas de curto prazo que nada resolvem e minam a autoridade dos professores e no futuro a autoridade do estado perante uma sociedade sem competencias profissionais e de cidadania.
O que se passa em Portugal é grave demais, infelismente só a mobilização dos cidadãos pode desalojar a corja do aparelho de estado e obrigar a legislar-se para os cidadãos. Se não estamos perdidos. O sentimento da rua é já como nunca visto. Ainda hoje quando fui a uma mercearia comentava-se:
- Já falta pouco para andar tudo aos tiros. Quando começarem lá em Lisboa, também lá vou ajustar umas contas...
- Agora mandam mensagens pro IRS? isso é pra quê? vão dar mais dinheiro à gente? esses fta...
- Parece que os gajos da PT, os patrões, ganharam o ano passado 7milhões de euros, mas despediram muita gente! lá aquele gajo, o chefe o ganadeiro, até duplicou o ordenado.
- Ponham-nos lá outra vez. Então não votaram neles, assim é que é bom. Pra começarem a levar porrada nos cornos e bico calado já não falta muito.
Cada vez mais é esta a crispação nacional que assola ao pais, não mais é possível esconder os VAMPIROS, ocultar a má governação para quem trabalha que é protectora dos patrões e donos do capital protegidos à sombras do estado, os tais a quem Henrique Neto, histórico socialista acusa de estarem a parasitar o estado, como recentemente a motaengil a fazer um terminal de contentores em Alcântara sem concurso publico. Perdeu-se a vergonha toda, é fartar vilanagem. No RU um membro do governo foi apanhado com documentos topsecret fora da pasta(que poderiam ser vistos), comprometeu uma operação contra BinLaden, já se demitiu. O QUE SE FAZ POR CÁ?
QUENTES E BOAS:

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Com papas e bolos se apanham tolos

"O Ministério da Educação compromete-se a abrir um novo concurso extraordinário interno ainda este ano civil, ao nível dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas, sem prestação daquela prova pública, ao qual terão acesso todos os professores posicionados no 4º escalão da carreira."P
O ME promete ainda mais escalões e com menos tempo de permanência.

Como dizia minha avó: promessas e desejos vão dos queixos!

Onde andam os critérios de qualidade, o mérito do trabalho apregoado? balelas, mentiras a reboque do calendário eleitoral. Estamos todos cheios. Nem há ódio do lado de cá, deixo isso à trindade ministerial, que ardam por dentro com o seu. Tenho pena desta gente que nasceu pequenina, e cuspiu a humildade e o carácter, a troco de umas palmadas nas costas e umas promessas, tal qual Salazar no dia em que largou as botas de lavrador.
Mas tenho mais pena ainda se o povo ignorante continuar a baixar as orelhas e alienar os destinos do pais ao centrão que nos afundou durante 30 anos e nos afoga agora com a corrupção num crise institucional.
Maiorias nunca mais...
Na Europa desenvolvida há governos de maiorias parlamentares constituídas por vários partidos. Da discussão nasce a boa solução. MAIORIAS SÃO APANÁGIO DA INCAPACIDADE, DA IGNORÂNCIA, DA PREPOTÊNCIA, PRÓPRIAS DE PAÍSES DO 3º MUNDO. CADA VEZ MAIS LONGE DA FILANDIA. CADA VEZ MAIS PRÓXIMOS DA VENEZUELA
Pscr: O primeiro-ministro José Sócrates, recusou hoje a proposta do PSD para criminalizar o enriquecimento ilícito. - No Outono os portugueses pronunciar-se-ão sobres os esforços de Sócrates no combate à corrupção, quando João Cravinho quebrou o silêncio sobre o assunto e anda a fazer um périplo a favor da causa com uma entrevista na SIC, e certamente, a limpar a imagem de um certo PS a preparar o futuro.