segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

A ministra não cai do governo. Não faz mal! cai Sócrates com ela.

O governo faz navegação à vista, perdeu a cabeça, deambula, Sócrates foi promovido a chefe dos bombeiros. A situação é particularmente crítica porque os portugueses perderam o respeito a um governo que não diz a verdade, rasgou o programa eleitoral e meteu o socialismo na gaveta. Não se lhe reconhece competência. Nomes que deram algum referencial de estabilidade como Freitas do Amaral ou Campos e Cunha, há muito que saltaram fora. Correia de Campos, bateu com a porta e Teixeira dos Santos, o último dos moicanos, foi classificado recentemente como o pior ministro das finanças da EU, não passa do homem do fraque.

O governo nestes três anos aplicou apenas a política dos cortes, na saúde, na justiça, na educação, na segurança social, nas PMEs, e aumentou os impostos. Criou-se uma folga orçamental, que foi para onde?
Um governo socialista faria precisamente o contrário, interviria nesses sectores. O governo de Sócrates, governa com um programa do tempo do outro senhor, isso entra-nos pelos olhos dentro e por isso aqui temos a resposta: a folga orçamental vai para Aeroportos, TGVs, PINs e Bancos. Num tempo de vacas magras, raspa-se o tacho dos contribuintes para arranjar contratos aos grandes grupos económicos e nacionalizar os prejuízos dos bancos privados_ porque não nacionalizaram toda a SLN? Os cidadãos ficaram com a percepção que não é para eles que esta gente governa.
Uma das técnicas desde sempre aplicada por Sócrates, a conselho das agências de comunicação pagas a peso de ouro por todos nós, foi resguardar-se dos problemas e aparecer a cortar fitas. Acontece que isto tem custos e numa governação pautada de claustrofobia democrática, como proferiu Paulo Rangel, o executivo está em permanente confronto com as classes, os ministros queimam-se (a arrogância e teimosia não permite a sua substituição) e é Sócrates que tem de aparecer a dar a cara. One man show que seca tudo à sua volta.
Veja-se o caso da educação, o maior erro de avaliação de Sócrates. A ministra e o secretário Lemos morreram, já estão na prateleira. O primeiro-ministro este sábado andou em reuniões com secretário Pedreira, explicando aos professores do PS as pseudo-alterações que deixarão tudo na mesma. Já é a terceira volta ao país para o mesmo efeito e pode até dar outras vinte nesse diálogo autista que nada mudará. Uma coisa todos sabemos que está a mudar, a votação no PS. A ministra não cai do governo. Não faz mal! cai Sócrates com ela.

ps- Alguém acredita nas sondagens actualmente? É que, como disse Cunhal, “se fizer uma sondagem à porta do meu partido, ganho com maioria absoluta”. Pois! nas recolhas de amostras, há umas mais aleatórias que outras…