domingo, 25 de outubro de 2009

AlÇADA: Pedigree

A patroa do Rui Vilar (um maçon das lides da Grande Loja da Soneca Pela Tarde do grande chefe solares) que se acoitou no ME (com todo o mérito do curriculum enviado à maçonaria) à procura de aventuras para novos livros (já agora sugiro o 1º sobre o conluio do gamanço entre Milú e Pedroso), é caçada aqui numa noticia do IOL, o que muito me espanta, disto ter passado no lapis azul da PRISA.

Passo à transcrição:

A nova ministra da Educação, Isabel Alçada, defendeu em Julho a importância da «prossecução e aprofundamento» da política educativa seguida pelo Executivo de José Sócrates, durante a apresentação do programa eleitoral do PS.

Numa cerimónia realizada no Centro Cultural de Belém no final do mês de Julho, a comissária do Plano Nacional de Leitura comentou a parte do programa referente a este sector, manifestando o seu «inteiro apoio» à política educativa que tem sido levada a cabo por Maria de Lurdes Rodrigues.
«Dou o meu inteiro apoio à política educativa que tem sido seguida, por vários motivos (...) considero que é importante a prossecução e o aprofundamento do trabalho que tem vindo a ser realizado», afirmou na altura Isabel Alçada.

Perante José Sócrates, que se encontrava naquele evento como secretário-geral do PS, a escritora enumerou um conjunto de medidas para justificar a sua posição, sublinhando que nenhuma foi «lançada sem ter sido executada e avaliada».

Isabel Alçada começou por referir-se ao Plano Nacional de Leitura, do qual é comissária desde o seu lançamento, em 2006, passando depois pela introdução do Inglês no primeiro ciclo, o Plano de Acção para a Matemática, a escola a atempo inteiro, o Plano Tecnológico da Educação e o computador Magalhães e a requalificação e modernização dos estabelecimentos de ensino.

Prosseguiu com as aulas de substituição, as refeições e o transporte escolar, o alargamento da Acção Social Escolar, a expansão do pré-escolar e do ensino profissional e o programa Novas Oportunidades.

«Estas medidas, que são congruentes e não avulsas, consolidadas, vão permitir formular novos desígnios para a educação que tenho esperança que venham a ser concretizados na próxima legislatura», afirmou.

Isabel Alçada referia-se ao alargamento da escolaridade obrigatória de nove para 12 anos, uma medida que é «possível e exequível» graças a medidas já tomadas.

Mas também, por exemplo, a um «novo ciclo» do Programa Novas Oportunidades e «consolidação» da modernização e requalificação dos equipamentos educativos.

Está apresentada.
Para quando é a 1ª manif de boas vindas?
Um agradecimento ao Kaos pela foto. O material ainda rareia, mas não deve tardar, eheh

5 comentários:

Arrebenta disse...

O material rareia, mas vai chover em massa, de aqui a um mês. Deixem-na abrir a boca...

Amy disse...

o mal foi o PS ter ganho. Agora é aguentar que esta vai continuar a obra que a outra deixou!

donatien alphonse françois disse...

Pedigree pal & pedigree pal-mixer...versão irritante fox terrier pelo curto.

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Isabel Alçada é graduada em Ciências Educativas pela universidade de Boston. Como Valter Lemos. O que lhe confere mais ou menos a mesma autoridade e credibilidade que teria, nos tempos que correm, um ministro da economia doutorado em Chicago...

Anónimo disse...

Deixem lá!
Daqui a um mês já chora na Assembleia da República, abraçada ao Valter Lemos, a dizer que não a deixam falar... Vai ser uma nova cópia da Sinistra, só que mais suave e politicamente correcta!
O Socas já lhe anda a mexer nos fios...