terça-feira, 10 de maio de 2011

José Sócrates Pinto Sousa, o "Pinóquio"


De acordo com o Finantial Times citado no Público: "a gestão da crise por Portugal tem sido “apavorante”, e o anúncio por José Sócrates do acordo alcançado com a EU-FMI é um “ponto alto do lado tragicómico da crise”".
O nosso Primeiro-Ministro é acusado por Wolfgang Münchau, num artigo de opinião, de ter escolhido atrasar o pedido de assistência financeira “até ao último minuto” e de na televisão afirmar que o acordo pacote português é melhor do que o grego e o irlandês, o que não corresponde à verdade, de acordo com todas as análises, existem "cortes selvagens" que vão afectar duramente as famílias portuguesas, sobretudo quem trabalha ou está reformado.

2 comentários:

Mário Bexiga disse...

Até se esqueceu de dizer que eram 78 mil milhões de euros que nos iam emprestar...

carol disse...

Depois quando vier o PPS, vulgo Coelhinho da Kinder, acabam-se as mentiras... Vai ser só honestidade, seriedade e assim. Uma versão jovem do Cavaco.